Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Governo adia envio das novas regras fiscais ao Congresso para terça-feira 

Havia a expectativa de que o texto chegasse ao Legislativo ainda nesta segunda; líder do governo na Câmara diz que clima é positivo

Brasília|Hellen Leite, do R7, em Brasília

Deputado federal José Guimarães (PT-CE), líder do governo na Câmara
Deputado federal José Guimarães (PT-CE), líder do governo na Câmara Deputado federal José Guimarães (PT-CE), líder do governo na Câmara

O líder do governo na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), afirmou que o novo arcabouço fiscal será entregue ao Congresso Nacional nesta terça-feira (18). Segundo ele, a expectativa é que a matéria que vai estabelecer as regras para as contas públicas seja votada em, no máximo, 20 dias. "Há clima político para votar", escreveu o petista nas redes sociais. 

"O novo arcabouço fiscal trará avanços importantes ao país. Um texto muito bem debatido por todos nós. […] O novo arcabouço fiscal será base importante para a aprovação da LOA [Lei Orçamentária Anual], do PPA [Plano Plurianual] e da LDO [Lei de Diretrizes Orçamentárias]. Vamos avançar para garantir um país próspero para todos", completou Guimarães.

"Haverá um momento com os presidentes da Câmara e do Senado, junto com o ministro [Fernando] Haddad [Fazenda], para entregar o novo marco fiscal. A expectativa é, sendo entregue amanhã [terça-feira], essa semana mesmo a Câmara possa definir o relator para que a gente possa votá-lo na velocidade e urgência que o país pede", disse o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha.

Havia a expectativa de que as regras que vão substituir o teto de gastos fossem entregues nesta segunda-feira (17). Mais cedo, a ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, disse que a proposta deve ser enviada nas próximas 48 ou 72 horas.

Publicidade

No fim de março, a equipe econômica chegou a detalhar como devem funcionar as novas regras, mas o projeto de lei ainda não foi apresentado. O arcabouço fiscal vai propor um formato diferente para limitar a evolução das despesas do Executivo e, ainda, estabelecer metas para reduzir a dívida do país.

Atualmente, segundo o teto de gastos, o crescimento das despesas da União fica atrelado à inflação do ano anterior. Com o arcabouço, a definição de quanto o Executivo pode gastar vai observar o que o governo conseguir arrecadar no intervalo de um ano com impostos, taxas, contribuições e aluguéis, que são as chamadas receitas primárias.

De acordo com o Palácio do Planalto, "o novo arcabouço fiscal do país deve ter o objetivo de fortalecer a credibilidade e o protagonismo da política fiscal, garantir trajetória sustentável da dívida pública e conceder mais flexibilidade e espaço fiscal aos investimentos públicos e programas que reduzam as desigualdades sociais".

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.