Brasília Ministério da Justiça prorroga por mais 30 dias presença da Força Nacional no Rio Grande do Norte

Ministério da Justiça prorroga por mais 30 dias presença da Força Nacional no Rio Grande do Norte

Agentes chegaram ao estado em 14 de março, após onda de ataques violentos, e devem permanecer no local até 12 de junho

  • Brasília | Do R7, em Brasília

Agentes devem permanecer no local até 12 de junho

Agentes devem permanecer no local até 12 de junho

Marcelo Camargo/Agência Brasil - 09.06.2021

O Ministério da Justiça prorrogou por mais 30 dias o uso da Força Nacional de Segurança Pública no Rio Grande do Norte. Os agentes devem permanecer no local até 12 de junho. A medida foi publicada no Diário Oficial da União desta segunda-feira (15). Em abril, o governo já havia prorrogado por 30 dias a presença da Força Nacional no estado, mas a autorização venceu em 13 de maio.

Em 14 de março, as primeiras equipes da Força Nacional desembarcaram no estado devido aos ataques violentos promovidos por uma facção criminosa, que provocaram estragos em prédios públicos e privados e incêndio de veículos de prefeituras.

De acordo com o governo potiguar, disparos de armas de fogo também foram registrados em algumas localidades.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp
Compartilhe esta notícia no Telegram

Um balanço parcial das forças de segurança que atuam para combater a organização criminosa revela que, até 25 de março, 187 suspeitos foram presos. Desses, 22 foram detidos no âmbito da Operação Normandia e 15 no da Operação Sentinela. Ao todo, foram registrados 298 ataques no Rio Grande do Norte.

Na ocasião, foram apreendidas 43 armas de fogo e capturados 148 artefatos explosivos e 33 galões de combustível. De acordo com o governo do estado, também foram recolhidos dinheiro, drogas e munições.

Onda de violência

Em março, ações orquestradas por facções criminosas causaram terror à população, com incêndios e tiros contra prédios públicos, veículos, comércio e até residências. As ações são uma retaliação às condições dos presídios, mostram investigações da polícia.

A custódia de presos está entre os motivos apontados pelos criminosos para a série de ataques no estado.

Últimas