Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

PEC da Transição deve tirar Bolsa Família do teto de gastos permanentemente

Segundo relator-geral do Orçamento, Marcelo Castro, a PEC será 'perene'; condição é a principal discussão entre os parlamentares

Brasília|Camila Costa, do R7, em Brasília

Relator-geral do Orçamento federal de 2023, senador Marcelo Castro, durante entrevista coletiva
Relator-geral do Orçamento federal de 2023, senador Marcelo Castro, durante entrevista coletiva Relator-geral do Orçamento federal de 2023, senador Marcelo Castro, durante entrevista coletiva

Previsto para ser apresentado até as 19h desta quarta-feira (16), o texto da PEC da Transição deve chegar à presidência do Senado com a retirada do Auxílio Brasil — que voltará a ser chamado de Bolsa Família — do teto de gastos não só para os próximos quatro anos de governo, mas permanentemente.

"Por que não valer por dois anos, três anos, quatro anos, para sempre?", afirmou o relator-geral do Orçamento federal, senador Marcelo Castro (MDB-PI). Segundo Castro, é inviável ter que produzir um proposta de emenda à Constituição (PEC) a cada ano para garantir o benefício às famílias.

"Muito mais lógico escolher o princípio de que estamos fazendo um pacto com as famílias mais vulneráveis, mais pobres, mais carentes, com o mínimo necessário para sobreviverem. Isso é tão marcante que não obedece a nenhuma condicionante, não está sujeito a teto de gastos, a crescimento e a recessão, então, a PEC vem nesse sentido”, justificou o relator.

O conselho dos 14 partidos que assessoram o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na transição de governo já manifestou apoio à proposta. No entanto, parte dos parlamentares estaria incomodada com "tanta abertura" ao novo governo. Fontes ouvidas pelo R7 afirmam que essa excepcionalidade do teto para todo o mandato do novo governo seria "muita regalia" para Lula.

Publicidade

Para aprovação de uma PEC, é necessário o aval de três quintos dos senadores (49 dos 81 votos possíveis) e dos deputados (308 votos entre 513), em dois turnos de votação.

Leia também

Entenda

O texto da PEC de Transição deixa fora do teto de gastos os recursos necessários para bancar o novo Bolsa Família, ao todo, R$ 175 bilhões.

Publicidade

A Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2023 destina R$ 105 bilhões ao então Auxílio Brasil de R$ 400 mensais. Para manter os atuais R$ 600 a partir de janeiro, segundo técnicos da transição, seriam necessários R$ 52 bilhões, ou seja, R$ 157 bilhões ao todo.

Nessa conta é preciso somar também os R$ 150 mensais para cada criança menor de 6 anos. Assim, serão necessários mais R$ 18 bilhões. Um saldo final de R$ 175 bilhões, R$ 70 bilhões a mais que o previsto na proposta de orçamento para 2023.

Ao tirar todo o auxílio da proposta orçamentária do próximo ano — R$ 175 bilhões —, os R$ 105 bilhões ficarão “livres” para investimentos em outras áreas prioritárias.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.