Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Polícia Civil do DF procura irmãos suspeitos de furtar loja do filho do governador Ibaneis Rocha

Policiais foram até Ceilândia, mas investigados não estavam nos endereços; crime aconteceu no dia 18 de fevereiro

Brasília|Josiane Ricardo, da RECORD, em Brasília

Crime aconteceu no domingo, dia 18 de fevereiro
Crime aconteceu no domingo, dia 18 de fevereiro Crime aconteceu no domingo, dia 18 de fevereiro (Divulgação/Polícia Civil do DF)

A Polícia Civil do Distrito Federal procura dois irmãos suspeitos de furtar a loja do filho do governador Ibaneis Rocha (MDB). A dupla foi identificada como Willian da Silva Chimiti, de 29 anos, e Bruna da Silva de Lima Chimiti, de 31, e não foi encontrada durante o cumprimento de mandados de prisão nesta quinta-feira (29), informou a polícia. O crime aconteceu no dia 18 de fevereiro, na loja de um time de futebol do Rio de Janeiro em um shopping na área central de Brasília. Os suspeitos teriam levado R$ 15,7 mil em mercadorias.

Nesta quinta-feira (29), os policiais cumpriram também três mandados de busca e apreensão, também em Ceilândia. A mãe e outra irmã dos alvos foram presas por receptação. Segundo a investigação, quatro suspeitos teriam envolvimento no furto à loja do filho de Ibaneis.

As denúncias podem ser feitas no 190 e são anônimas
As denúncias podem ser feitas no 190 e são anônimas As denúncias podem ser feitas no 190 e são anônimas (Divulgação/Polícia Civil do DF)

A polícia chegou até o grupo depois de analisar o circuito de câmeras que monitoram o shopping. Os investigadores identificaram o carro utilizado pelos suspeitos. Pela placa do veículo foi possível chegar aos endereços deles.

Na casa dos irmãos, os policiais encontraram diversos produtos personalizados, como canecas, garrafas e uniformes oficiais do time carioca. Os investigados guardavam dezenas de peças de roupas de lojas de departamento, ainda com a etiqueta. Eles são suspeitos de furtar estabelecimentos por todo o país e lucrar com as vendas, segundo a polícia.

Publicidade

Dez dias depois da descoberta do esquema, o juiz da 3ª Vara Criminal de Brasília decretou a prisão temporária dos irmãos por cinco dias. Eles devem responder por furto qualificado.

Antes dos mandados de prisão, a mãe dos irmãos chegou a ser presa em flagrante por receptação. Todo o material estava na casa dela.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.