Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Presidente do TSE disse que 'jamais' aceitaria 'intervenção' nas eleições

Fachin disse que está aberto a 'colaboração', mas nega hipótese de intromissão das Forças Armadas no processo eleitoral

Brasília|Emerson Fonseca Fraga, do R7, em Brasília

José Laurindo de Souza Netto, presidente do TJPR, e Edson Fachin, presidente do TSE
José Laurindo de Souza Netto, presidente do TJPR, e Edson Fachin, presidente do TSE José Laurindo de Souza Netto, presidente do TJPR, e Edson Fachin, presidente do TSE

O ministro Edson Fachin, presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), disse nesta sexta-feira (29) que aceita "colaboração", mas não "intervenção" nas eleições. "Colaboração, cooperação e parcerias pró-ativas para aprimoramento, a Justiça Eleitoral está inteiramente à disposição. Intervenção, jamais", afirmou em coletiva de imprensa durante visita ao Tribunal Regional Federal do Paraná.

Em cerimônia em defesa do deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ), na última quarta-feira (27), o presidente Jair Bolsonaro (PL) disse que as Forças Armadas foram convocadas pelo TSE para participar do processo eleitoral. "Não se fala em voto impresso [nas sugestões]. Não precisamos de voto impresso para garantir a lisura das eleições", declarou.

O chefe do Executivo afirmou que uma das sugestões das Forças Armadas ao TSE seria a presença de um computador que fizesse uma apuração paralela e simultânea dos votos. De acordo com o presidente da República, a apuração atualmente acontece em uma "sala secreta", onde "meia dúzia de técnicos dizem ali no final: 'Olha, quem ganhou foi esse'". 

O TSE já havia esclarecido que é falsa a afirmação de que os votos sejam feitos de forma secreta. "Em verdade, a apuração dos resultados é feita automaticamente pela urna eletrônica logo após o encerramento da votação. Nesse momento, a urna imprime, em cinco vias, o Boletim de Urna (BU), que contém a quantidade de votos registrados na urna para cada candidato e partido, além dos votos nulos e em branco", disse o tribunal, em nota.

Leia também

Ainda de acordo com a instituição, "uma das vias impressas é afixada no local de votação, visível a todos, de modo que o resultado da urna se torna público e definitivo. Vias adicionais são entregues aos fiscais dos partidos políticos".

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.