Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Processo que pode cassar Chiquinho Brazão chega ao Conselho de Ética da Câmara

Presidente do colegiado informou que pretende instaurar processo contra parlamentar na segunda semana de abril

Brasília|Victoria Lacerda, do R7, em Brasília

O Conselho terá 60 dias úteis para conduzir o processo
O Conselho terá 60 dias úteis para conduzir o processo O Conselho terá 60 dias úteis para conduzir o processo (Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados - 31.5.2023)

O processo que pode resultar na cassação do mandato do deputado federal Chiquinho Brazão chegou ao Conselho de Ética da Câmara nesta quarta-feira (27). O presidente do colegiado, Leur Lomanto Júnior (União-BA), planeja iniciar o processo na segunda semana de abril.

A representação feita pelo PSOL pede a cassação do mandato de Chiquinho Brazão por envolvimento na morte da ex-vereadora do Rio Marielle Franco. O presidente do conselho definirá o relator nos próximos dias. Nesta semana, a 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal confirmou por unanimidade a prisão de Chiquinho, do conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro Domingos Brazão, e do delegado da Polícia Civil Rivaldo Barbosa. Eles são suspeitos de planejar o crime e ordenar a morte de Marielle e de seu motorista Anderson Gomes.

A prisão de Chiquinho Brazão requer aprovação pela Câmara. Conforme estabelecido na Constituição, um deputado só pode ser detido em flagrante por crime inafiançável, o que demanda a ratificação pela maioria absoluta da Casa, em votação pública. Atualmente, o processo está em análise na Comissão de Constituição e Justiça.

O PSOL argumenta que a cassação de Chiquinho Brazão é uma necessidade e que sua permanência como deputado federal mancha a história da Câmara. O partido sustenta que o suposto autor intelectual da morte de Marielle e Anderson não pode representar a Casa, e sua cassação é urgente.

Publicidade

O Conselho de Ética terá 60 dias úteis para conduzir o processo. Após receber a representação, o presidente do colegiado inicia o processo e nomeia o relator, escolhido em lista tríplice por sorteio. O acusado é notificado e tem 10 dias úteis para apresentar defesa por escrito. O relator tem 40 dias úteis para instruir o processo e mais 10 dias úteis para emitir parecer.

As decisões do Conselho de Ética serão submetidas a votação aberta em plenário. O prazo para deliberação, a partir da instauração do processo no Conselho, é de 90 dias úteis. A cassação do mandato requer votos da maioria absoluta dos deputados, ou seja, pelo menos 257.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.