Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Zambelli usou dinheiro de campanha do PL e de emenda parlamentar com hacker, diz PGR

A deputada e o hacker foram alvo de uma operação da PF em agosto do ano passado e, na época, Zambelli negou ter contratado Delgatti

Brasília|Gabriela Coelho, do R7, em BrasíliaOpens in new window

Paulo Gonet denuncia Zambelli e hacker (Pedro França/Agência Senado - 13.12.2023)

O procurador-geral da República, Paulo Gonet, afirma que a deputada federal Carla Zambelli (PL-SP) usou recursos do Partido Liberal para pagar o serviço feito pelo hacker Walter Delgatti na invasão dos sistemas do Conselho Nacional de Justiça. Em denúncia contra Zambelli e Delgatti, Gonet diz que a parlamentar usou meios para encobrir a relação. O pagamento teria sido feito por uma empresa contratada para cuidar das redes sociais e de materiais de divulgação de uma frente parlamentar formada por candidatos do PL.

“O pagamento a Walter Delgatti foi escamoteado, já que realizado por interpostas pessoas, o funcionário Jean Hernani Guimarães Vilela e a empresa de sua esposa, a Hernani Filmes E Marketing Digital, à época contratada para cuidar das redes sociais e materiais de campanha de uma frente parlamentar de doze candidatos do PL”, diz o documento.

De acordo com outro trecho da denúncia, em fevereiro de 2023, as interações entre os dois incluem troca de informações de caráter íntimo. Walter Delgatti passou a parlamentar notícias sobre sua situação de saúde, que registrou ter providenciado o custeio do deslocamento e o pronto atendimento médico do hacker em hospital na cidade de Guaratinguetá/SP.

“Conforme conversas entre os denunciados, o tratamento de saúde foi realizado na Santa Casa de Guaratinguetá/SP, instituição que teria recebido recursos decorrentes de emenda parlamentar. Carla Zambelli, que instrumentalizava o seu mandato parlamentar para o cumprimento de promessa de benefício feita ao denunciado, tentou evitar registros que pudessem chamar a atenção para si. Orientou Walter Delgatti, por isso, a não incluir o sobrenome Delgatti na ficha do pronto socorro”, afirma a PGR.

Publicidade

A deputada e o hacker foram alvo de uma operação da PF em agosto do ano passado. Na época, Zambelli negou ter contratado Delgatti para fazer trabalhos criminosos e afirmou que os pagamentos feitos a ele se referem a serviços que ela contratou para o seu site, pelo valor de R$ 3 mil.

Delgatti ficou conhecido pelo episódio da “Vaza Jato”, quando invadiu telefones de autoridades envolvidas com a Operação Lava Jato e vazou conversas entre integrantes da força-tarefa. Em depoimento à PF, ele disse que Zambelli o teria contratado pelo valor de R$ 40 mil para fraudar urnas eletrônicas e inserir um mandado de prisão contra Moraes no sistema do CNJ.

A deputada também admitiu à PF que mediou um encontro entre o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e o hacker. No entanto, a parlamentar inocentou Bolsonaro de qualquer ligação criminosa com Delgatti.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.