Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Água ‘misteriosa’ que surgiu em obra de saneamento vira caso de polícia no Rio Grande do Norte

A Guarda Municipal de Parnamirim foi chamada depois que banhistas invadiram o local, que lembra o mar do Caribe ou o de Jericoacoara

Cidades|Do R7

'Buraco azul' virou caso de polícia após invasão
'Buraco azul' virou caso de polícia após invasão 'Buraco azul' virou caso de polícia após invasão

O surgimento de uma água de cor azul-turquesa durante uma obra de saneamento básico no bairro de Nova Esperança, em Parnamirim (RN), está rodeado de mistério e se tornou um caso de polícia depois que a população descobriu a beleza do local e o invadiu.

A Guarda Municipal da cidade potiguar, que fica a 12 km da capital, Natal, foi acionada para retirar as dezenas de invasores. O vídeo com as pessoas que entraram no local viralizou neste domingo (30).

Chamada pela população de “buraco azul”, a obra, que tinha todas as autorizações necessárias dos órgãos públicos, foi paralisada. A água surgiu durante a construção de uma estação elevatória de esgoto.

Agora, amostras da água serão estudadas em laboratório a fim de indicar os componentes ali presentes. As autoridades querem evitar riscos à população que mergulhou ou ingeriu o líquido.

Publicidade

Em uma entrevista à TV Tropical, afiliada da Record TV no Rio Grande do Norte, um guarda municipal do município informou que o reforço "foi solicitado para conter as pessoas que estavam entrando no local. A gente não sabe a procedência dessa água, que ainda está em estudo”, disse.

“A gente veio para conter o tumulto que estava ocorrendo e orientar as pessoas, para não acontecer nada com elas”, completou.

Publicidade

Também ao Portal da Tropical, da emissora afiliada da Record TV, Aluízio Nunes, supervisor do Núcleo de Licenciamento de Obras Públicas do Idema (Instituto de Defesa de Meio Ambiente), orientou a população.

"Não utilizem a água, porque ainda está em análise. Estamos aguardando a Caern [Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte] entregar a análise para a gente continuar a obra ou relocar a obra ou qualquer outra coisa que venha a acontecer", finalizou.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.