Folha Vitória ARTIGO | Automobilismo: como as mulheres estão mudando a cara do esporte a motor

ARTIGO | Automobilismo: como as mulheres estão mudando a cara do esporte a motor

Envolvimento feminino cresceu nas mais diversas funções, seja como piloto, chefe de equipe, na engenharia, comunicação, marketing,...

Folha Vitória
Foto: Freepik
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O automobilismo é um esporte que, historicamente, tem sido dominado pelos homens. Não é por menos: foi inventado por eles. 

Nos considerados “anos de ouro” das décadas de 1960 e 1970, as mulheres vistas nos autódromos eram em sua maioria esposas de pilotos e chefes de equipe ou namoradas – e que cumpriam magistralmente a função de cronometrista, sempre sentadas na mureta, faces tensas, com cronômetro de bolso (de ponteiro, ainda), caneta e prancheta na mão anotando tempos de volta de seus maridos/namorados que se arriscavam a altíssimas velocidades na pista – e muitos não voltaram.

Exceções – raras – sempre existiram. Maria Teresa de Filippis foi a primeira mulher a disputar a Fórmula 1, em 1959; Lella Lombardi, em 1975, foi a de maior sucesso chegando inclusive a pontuar no GP da Espanha daquele ano. 

E há a primeira destas exceções, ainda antes da existência da própria F1: a destemida francesa Hellé-Nice, que desafiou e venceu vários de seus concorrentes e estabeleceu diversos recordes de velocidade nos anos 1930 e 40.

A presença feminina sempre foi crescente no esporte a motor, mas de maneira muito tímida. Como protagonistas da competição, houve casos de sucesso como Michèle Mouton, vice-campeã mundial de rali em 1982 e vencedora de diversas provas, e o da alemã Jütta Kleinschmidt, até hoje a única mulher a vencer o rali Dakar na categoria geral, em 2001. Em ambos os casos, são feitos gigantescos.

No entanto, nos últimos 20 anos, o envolvimento feminino no esporte a motor, passou a crescer e nas mais diversas funções, seja como piloto, chefe de equipe, na engenharia, comunicação, marketing, jurídico e de eventos. 

Esse incremento se intensificou ainda mais nos últimos 10 anos com mais mulheres ocupando mais e mais posições consideradas chave, e este fenômeno está mudando a cara do esporte. Para melhor. Para uma visão mais ampla e mais diversificada.

Há várias razões para esse aumento. Uma delas é a crescente conscientização sobre a igualdade de gênero e a importância da diversidade e inclusão em todas as áreas da sociedade. 

Outra razão é a implementação de políticas de igualdade de gênero por parte de empresas, equipes e organizações esportivas, que estão trabalhando ativamente para atrair mais mulheres para o esporte.

Felizmente, muitas organizações esportivas estão trabalhando ativamente para tornar o automobilismo mais diverso e inclusivo. 

A FIA, por exemplo, estabeleceu a Comissão de Mulheres no Automobilismo para promover a igualdade de gênero no esporte. Além disso, a Fórmula 1 criou a F1 Academy, uma categoria exclusivamente feminina que visa oferecer uma plataforma para as mulheres se destacarem no automobilismo. 

A chefia da nova categoria, inclusive, é de Susie Wolff, que já foi piloto de testes da Williams e foi chefe da equipe Venturi na Fórmula E – pessoa com experiência e altamente capacitada para o cargo.

Em resumo, o aumento do número de mulheres no esporte a motor é um desenvolvimento importante que beneficia a indústria e abre portas para muitas mulheres que desejam seguir uma carreira no automobilismo, mas ainda há um longo caminho a percorrer para garantir a igualdade de oportunidades para todos os envolvidos.

Não podemos desistir e continuaremos buscando oportunidades.

*Artigo escrito por Fabiana Ecclestone. Saiba mais sobre a autora abaixo: 

Foto: Beto Issa/GP São Paulo de F1
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
Fabiana Ecclestone é brasileira, advogada e executiva no ramo do esporte a motor. Atua como vice-presidente da Federação Internacional do Automóvel (FIA) para o Esporte na América do Sul.
Últimas