Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Notícias R7 – Brasil, mundo, saúde, política, empregos e mais
Publicidade

Artigo | Combate ao racismo no futebol: práticas éticas e o caso de Vinícius Jr

É essencial analisar como práticas éticas podem auxiliar os clubes a enfrentar e erradicar tais comportamentos; leia artigo escrito...

Folha Vitória

Folha Vitória|Do R7

Folha Vitória
Folha Vitória Folha Vitória

* Artigo escrito por André Paris, consultor em Privacidade de Dados e em Compliance e Líder do Comitê Qualificado de Conteúdo do IBEF-ES.

O futebol, como um dos esportes mais populares e apaixonantes do mundo, tem o poder de unir pessoas de diferentes origens e culturas. 

Contudo, e infelizmente, também vem sendo palco para a manifestação de comportamentos racistas e discriminatórios.

Vinicius Júnior, o melhor jogador brasileiro da atualidade (e talvez um dos melhores do mundo), é alvo de ataques racistas durante toda sua carreira. 

Publicidade

Esses incidentes, como insultos verbais e gestos discriminatórios, ilustram como nem as maiores estrelas estão imunes ao racismo no futebol. 

Diante desse cenário, é essencial analisar como práticas éticas podem auxiliar os clubes a enfrentar e erradicar tais comportamentos.

Publicidade

Educação e conscientização: é necessário implementar programas educacionais que abordem o tema do racismo no futebol desde as categorias de base, capacitando jovens jogadores, treinadores e membros da comissão técnica. 

Essa conscientização pode ajudar a combater preconceitos e estereótipos arraigados, promovendo uma cultura de respeito e igualdade no esporte.

Publicidade

Tolerância zero: as instituições esportivas devem adotar uma política de "tolerância zero" em relação ao racismo. Isso significa que qualquer manifestação discriminatória deve ser prontamente identificada, investigada e punida de maneira adequada.

É necessário que as entidades esportivas assumam a responsabilidade de aplicar sanções rígidas, como multas a clubes ou ligas e suspensões a torcedores, para mostrar que atos racistas não serão tolerados e que as vítimas serão protegidas. 

Do mesmo modo, importante que a responsabilização venha de forma célere, justiça tardia não é justiça.

Apoio Institucional: é crucial que as instituições esportivas, como federações, clubes e ligas, ofereçam suporte e proteção aos jogadores que são alvo de racismo. Isso envolve o estabelecimento de canais de denúncia confiáveis e confidenciais. 

É fundamental que os jogadores se sintam amparados e seguros para denunciar qualquer forma de discriminação racial.

Igualmente, o “tom” dado pelos clubes reflete no comportamento de seus torcedores. 

Assim, um discurso e ações claras contra a discriminação no futebol tendem a reduzir manifestações extremamente reprováveis como as das quais foi vítima o jogador brasileiro (e tantos outros atletas).

Engajamento da Mídia: a mídia desempenha um papel importante na conscientização e na promoção de práticas éticas no futebol. 

É necessário que os veículos de comunicação informem e sensibilizem o público sobre os casos de racismo, destacando sua gravidade e suas consequências. 

Além disso, a mídia pode dar voz aos jogadores afetados, permitindo que expressem suas experiências e perspectivas, gerando empatia e solidariedade na sociedade.

Participação dos fãs: os torcedores têm um papel significativo na luta contra o racismo no futebol, e sua participação é crucial para promover práticas éticas. 

As torcidas organizadas e os fãs individuais têm o poder de influenciar a atmosfera dos jogos e a cultura do futebol. 

É fundamental que os clubes e as próprias torcidas organizadas, incentivem a inclusão e a diversidade, promovendo campanhas educacionais e conscientizando seus torcedores sobre a importância do respeito mútuo.

Liderança dos jogadores: os jogadores de futebol têm uma plataforma poderosa para promover mudanças positivas. 

Eles podem usar sua influência e visibilidade para se posicionar contra o racismo, tanto dentro como fora dos campos (como Vini Jr. vem fazendo). 

Os jogadores que são vítimas de racismo podem se tornar exemplos inspiradores ao denunciar os incidentes e lutar por mudanças reais no esporte.

Os casos de racismo enfrentados por jogadores expõem a triste realidade do preconceito racial no futebol. No entanto, é possível promover práticas éticas e combater esses comportamentos discriminatórios. 

A educação, a tolerância zero, o apoio institucional, o engajamento da mídia, a participação dos fãs, a responsabilidade dos clubes e a liderança dos jogadores são elementos fundamentais nesse processo.

O futebol tem o potencial de ser um veículo para a inclusão, a diversidade e a igualdade. 

Ao adotar práticas éticas e combater o racismo de forma enérgica, o esporte pode se tornar um exemplo positivo para a sociedade como um todo.

Cabe a todas as partes envolvidas – jogadores, clubes, federações, torcedores e mídia – trabalhar em conjunto para criar um ambiente em que o racismo não tenha vez, e onde todos possam desfrutar do futebol e todas as alegrias que ele tem a nos ofertar.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.