Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Notícias R7 – Brasil, mundo, saúde, política, empregos e mais
Publicidade

Brasil registra primeiros dois casos de gripe aviária no litoral do ES

Informação foi confirmada pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa); setor de proteína animal está em alerta

Folha Vitória

Folha Vitória|Do R7

Folha Vitória
Folha Vitória Folha Vitória

Os primeiros dois casos de gripe aviária no Brasil em animais silvestres acabam de ser registrado no Espírito Santo. O anúncio foi feito pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) na tarde desta segunda-feira (15). Segundo a pasta, o resultado positivo foi confirmado em aves silvestres que habitam o litoral capixaba. 

Foram resgatadas duas aves marinhas da espécie Thalasseus acuflavidus (nome popular do trinta-réis-de-bando): uma localizada no bairro Jardim Camburi, em Vitória, e outra em Marataízes, no litoral sul do Estado.

>> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas? Participe da nossa comunidade no WhatsApp ou entre no nosso canal do Telegram!

As investigações, feitas pelo Serviço Veterinário Oficial (SVO), começaram na última quarta-feira (10) após notificação recebida pelo Instituto de Pesquisa e Reabilitação de Animais Marinhos de Cariacica.

Publicidade

As amostras recolhidas das aves foram enviadas ao Laboratório Federal de Defesa Agropecuária de São Paulo (LFDA-SP), que é a unidade de referência da Organização Mundial da Saúde Animal (OMSA). O laboratório confirmou se tratar de Influenza Aviária de Alta Patogenicida (IAAP) de subtipo H5N1.

O Ministério da Agricultura reforçou que a notificação da infecção pelo vírus da IAAP em aves silvestres não afeta a condição do Brasil como país livre de Influenza Aviária de Alta Patogenicidade. 

Publicidade

Assim, os demais países membros da OMSA não devem impor proibições ao comércio internacional de produtos avícolas brasileiros.

O Mapa informou ainda que infecções humanas pelo vírus da influenza aviária podem ser adquiridas, principalmente, por meio do contato direto com aves infectadas (vivas ou mortas). 

Publicidade

A recomendação é que a população, ao avistar aves doentes, acione o serviço veterinário local ou realize a notificação por meio do e-Sisbravet. Não se deve tocar e nem recolher aves doentes. A doença não é transmitida pelo consumo de carne de aves e nem de ovos.

LEIA TAMBÉM: Casal de Colatina espera sêxtuplos e pede ajuda para cuidar dos bebês

Atualmente, o mundo vive uma pandemia de gripe aviária, observada principalmente em aves migratórias.

As secretarias estaduais de Saúde e de Agricultura foram procuradas para saber se haverá medidas sanitárias diante da presença de animais infectados no Espírito Santo. Assim que as respostas forem enviadas a matéria será atualizada.

Setor de proteína animal em alerta

Após confirmação oficial do Ministério da Agricultura em aves marinhas migratórias no Brasil, a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) se manifestou por meio de nota e informou que a entidade e todo o setor produtivo, juntamente com a Associação dos Avicultores do Estado do Espírito Santo (AVES) seguem mobilizados para o monitoramento da situação identificada no Espírito Santo, por meio do comitê de crise denominado Grupo Especial de Prevenção à Influenza Aviária (GEPIA).

"É importante reiterar que a situação foi registrada em duas aves marinhas migratórias, e não ocorreu dentro do sistema industrial brasileiro, que segue os mais rígidos protocolos de biosseguridade. Por isso, não há qualquer mudança em relação ao abastecimento interno de produtos", reforçou.

A entidade acrescenta que "é totalmente seguro o consumo da carne de aves e ovos, segundo informações cientificamente respaldadas pela Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA), pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) e outros órgãos reconhecidos internacionalmente".

O Ministério da Agricultura reforçou que a notificação da infecção pelo vírus da IAAP em aves silvestres não afeta a condição do Brasil como país livre de Influenza Aviária de Alta Patogenicidade. Assim, os demais países membros da OMSA não devem impor proibições ao comércio internacional de produtos avícolas brasileiros.

O Mapa informou ainda que infecções humanas pelo vírus da influenza aviária podem ser adquiridas, principalmente, por meio do contato direto com aves infectadas (vivas ou mortas).

A recomendação é que a população, ao avistar aves doentes, acione o serviço veterinário local ou realize a notificação por meio do e-Sisbravet. Não se deve tocar e nem recolher aves doentes. A doença não é transmitida pelo consumo de carne de aves e nem de ovos.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.