Folha Vitória Campanha conscientiza sobre a importância de tratar distúrbios do olfato

Campanha conscientiza sobre a importância de tratar distúrbios do olfato

Idealizada pela Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial e Academia Brasileira de Rinologia, ação esclarece...

Folha Vitória
Foto: Divulgação/DINO

A perda parcial ou permanente do olfato, intitulada pela medicina como anosmia, ficou conhecida pela população como um forte indicador da presença da Covid-19 ou como uma sequela da doença. Estima-se que cerca 5% dos pacientes que sofreram alterações no olfato e no paladar devido ao coronavírus permaneceram com esses sintomas de forma duradoura, segundo um estudo  publicado na revista científica The BMJ, em julho de 2022. Os autores projetam que o problema atinja aproximadamente 15 milhões de pessoas no mundo.

Para alertar sobre a necessidade de não negligenciar a anosmia ou outros sintomas que prejudicam a função olfatória, a Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF) e Academia Brasileira de Rinologia (ABR) realizam a Semana do Olfato Saudável: sentindo bons momentos, até esta sexta-feira, 3 de março. Ao longo da semana, especialistas das entidades médicas divulgarão informações para conscientizar sobre possíveis causas, sinais de alerta, danos à saúde e como tratar distúrbios que afetam o olfato.

A ABORL-CCF destaca que não só a Covid-19, mas também doenças que afetam a região nasal ou que causam obstrução e inchaço da cavidade interna do nariz, como rinite alérgica, gripe e rinossinusite crônica com pólipos nasais, podem causar anosmia temporária ou permanente. Além disso, tumores, traumas cranioencefálicos e algumas enfermidades neurológicas ou que podem surgir na fase do envelhecimento, como Alzheimer e Parkinson, podem impactar negativamente a capacidade de perceber corretamente os odores no ambiente.

O presidente da ABR, Dr. Marcus Lessa, chama a atenção para o fato de que ignorar alterações da função olfativa traz vários prejuízos à saúde, à segurança e à vida social. “O olfato ajuda as pessoas a detectar perigos no ambiente, como fumaça, cheiros de gás e vapores químicos, e é útil para comer, auxiliando a evitar ingestão de alimentos estragados e a manter uma boa saúde. Além disso, sentir cheiros nos ajuda a construir lembranças e memórias emocionais”, esclarece o otorrinolaringologista.

Os tratamentos para perda ou alterações de olfato vão depender da causa que, para ser detectada, precisa de uma análise minuciosa do otorrinolaringologista. O profissional fará testes específicos para avaliar a função do olfato e a cavidade nasal, além de aplicar questionários, a fim de conhecer o histórico clínico do paciente.               

“Além do treinamento olfativo com óleos essenciais, atualmente há terapia medicamentosa utilizando a lavagem nasal como uma opção para ajudar a acelerar a recuperação da função olfativa. Porém a prescrição dependerá do correto diagnóstico do otorrino”, explica Dr. Lessa.

Programação online

Médicos otorrinos, membros da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial e da Academia Brasileira de Rinologia, estão divulgando informações sobre anosmia e alterações de olfato, o correto diagnóstico, causas e tratamentos, por meio de vídeos nos canais oficiais da ABORL-CCF e ABR.

No dia 2 de março, às 20h (horário de Brasília), ocorrerá a live “Doutor, e esse cheiro estranho?” com os otorrinolaringologistas Marcel Menon e Luciano Gregório. Os especialistas vão explicar o que é a parosmia, suas características, impactos à saúde e qualidade de vida, além de possíveis tratamentos. A transmissão será no no Instagram Otorrino e Você, canal da entidade médica para promover a educação em saúde à população, e  os participantes poderão esclarecer dúvidas com os médicos.

A abertura da Semana do Olfato Saudável: sentindo bons momentos começou no Dia da Conscientização da Anosmia, celebrado na última segunda-feira (27/2).  A data foi marcada por orientações e avaliações gratuitas em ações de atendimento a 600 pessoas, nas cidades de São Paulo, Ribeirão Preto e Salvador.

Últimas