Folha Vitória Câncer de estômago: os sintomas da doença que vitimou Paula Borgo, do vôlei

Câncer de estômago: os sintomas da doença que vitimou Paula Borgo, do vôlei

Paula Borgo tinha 29 anos e lutava contra o câncer há cerca de 8 meses, desde setembro de 2022

Folha Vitória
Foto: Reprodução/Instagram @anapaula8borgo
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O câncer de estômago é considerado um dos que ocorrem com mais frequência no Brasil. Entre os homens, é o quarto tipo com maior incidência. Já entre as mulheres, é o sexto. Na última quinta-feira (11), ele vitimou a ex-atleta da seleção brasileira feminina de vôlei, de 29 anos, Paula Borgo.

>> Entre no grupo do Folha Vitória no WhatsApp e receba notícias gratuitas sobre Saúde. Participe também do nosso canal no Telegram!

Foi por meio de exames de rotina que a atleta descobriu a doença e a partir de então, deu início ao tratamento. 

O câncer gástrico, como também é chamado, é comum na faixa etária de 60 a 70 anos em homens. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), aproximadamente 65% dos pacientes passam da faixa dos 50 anos.

Entre 2023 e 2025, a estimativa é de que surjam 21.480 novos casos da doença no país todos os anos. Desse total, 13.340 em homens e 8.140 em mulheres.

Conheça os sintomas do câncer de estômago

Um ponto importante sobre o câncer de estômago é o fato de não apresentar sinais específicos. Porém, é possível observar alguns sintomas como falta de apetite, náuseas, desconforto abdominal que persiste, perda de peso e sensação de estômago cheio, por exemplo.

LEIA MAIS: Brasil registra primeiros dois casos de gripe aviária no litoral do ES

Além de indicar um possível tumor, ainda de acordo com o Inca, esses sinais podem indicar doenças como úlcera e gastrite, que são consideradas benignas. Diante da desconfiança de algo não vai bem com a saúde do estômago, é fundamental buscar a ajuda e orientação de um médico gastroenterologista para ser fechado o diagnóstico correto.

Uma vez em estágio avançado, podem ser percebidos nódulos próximos ao umbigo, massa palpável em determinados pontos do abdômen e até mesmo ínguas na lateral esquerda do pescoço.

Fatores de risco da doença

Fora os fatores idade acima dos 50 anos e o gênero masculino, o consumo em excesso de bebidas alcoólicas, alimentos com muito sal, o tabagismo, a obesidade e o sobrepeso são considerados do risco para a doença.

Portanto, para preveni-la é necessário evitar o consumo de determinados alimentos e bebidas, não fumar, manter uma dieta balanceada, rica em fibras e praticar atividades físicas para a manutenção do peso adequado.

Diagnóstico e tratamento: como são realizados 

São necessários alguns exames de laboratório e por imagem para chegar ao diagnóstico do câncer de estômago.

Por meio da endoscopia, o médico consegue visualizar o esôfago e o estômago, além de biópsia. A biópsia consiste na retirada de um fragmento de parte do corpo, que é levado para análise.

Caso o tumor seja confirmado, o médico pode solicitar ainda uma tomografia computadorizada, um exame de imagem, não invasivo, onde será avaliada a extensão desse tumor.

Entre os principais tratamentos para combater o câncer de estômago estão a radioterapia, a quimioterapia, a imunoterapia e cirurgia, chamada gastrectomia. Ela consiste na retirada parcial ou total do órgão. Também pode ser feita a combinação deles em muitos casos. 

É importante destacar que, quando descoberto no início, esse tipo de câncer tem grandes chances de cura, de acordo com especialistas.

*Com informações do R7

LEIA TAMBÉM: Adoçante artificial não emagrece ou evita diabetes, segundo OMS

Últimas