Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Notícias R7 – Brasil, mundo, saúde, política, empregos e mais
Publicidade

Chance baixa de cura: Ana Maria Braga diz que quase morreu com câncer: "Grave"

Médico que cuidou da apresentadora que voltou à RecordTV após mais de 24 anos abriu o jogo e disse que chance de cura não passava de...

Folha Vitória

Folha Vitória|Do R7

Folha Vitória
Folha Vitória Folha Vitória

Abriu o coração! 

Ana Maria Braga voltou a falar sobre sua luta contra o câncer nos últimos anos. Nesta terça-feira (1º), ao vivo, a apresentadora que recentemente causou ao voltar à RecordTV depois de mais de 24 anos relembrou alguns episódios complicados de seu real estado de saúde. 

LEIA TAMBÉM: Harmonização? Após ES, cantora Rosana surge irreconhecível com famosos: "Deusa"

"Eu sou uma reminiscente dos vários cânceres. Eu tive um câncer de pulmão. E como parte do controle, todo paciente de câncer tem que fazer exames de tempos em tempos. O Dr. Buzaid identificou, no passado, dois tumores pequenos. Fui tratada com uma cirurgia e o outro com radioterapia", disse. 

Publicidade

LEIA TAMBÉM: Caso Eslovênia: Lucas Bissoli acusa e Loreto abre o jogo: "Gata"; entenda

Ela aproveitou o debate para falar sobre a importância de o SUS oferecer imunoterapia. 

Publicidade

LEIA TAMBÉM: O que Joelma tem? Inchada, cantora recebe diagnóstico de doença; saiba tudo

Segundo a loira, em 2020, ela recebeu um dos diagnósticos mais "preocupantes", como ela mesma classificou. "É um depoimento que eu nunca dei, mas também nunca escondi nada de ninguém", começou. 

Publicidade
Folha Vitória
Folha Vitória Folha Vitória

"A imunoterapia teve um papel importantíssimo na minha cura", reiterou, durante o relato emocionado. 

MÉDICO EXPLICA ESTADO DE SAÚDE

O médico que cuidou da global, Antônio Carlos Buzaid, também falou sobre o quadro clínico de Ana Maria. 

LEIA TAMBÉM: Vovó fitness revela como ter pele madura sem ruga: "Orgasmo é como um sérum"

"Era uma situação preocupante. Tivemos que iniciar quimio com imunoterapia. A porcentagem de ir bem na época era de 10% a 20%. Era grave. Resolvi, então, misturar esses dois protocolos. E acho que fomos bem. E o mais importante de tudo é que seis semanas depois, o cérebro já zerou. Agora, as chances de cura subiram muito, vão para 90 e pouco", concluiu. 

Folha Vitória
Folha Vitória Folha Vitória

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.