Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Desapego vira negócio e brechós crescem mais de 30% no ES

Das 360 lojas registradas no Estado, cerca de 36% foram abertas nos últimos três anos, período de pandemia

Folha Vitória

Folha Vitória|Do R7

Folha Vitória
Folha Vitória Folha Vitória

Roupas, acessórios, brinquedos, livros e bijuterias. Todos estes itens podem ser encontrados em brechós espalhados por todo o Espírito Santo. Peças de valor sentimental e histórico com valores muito abaixo do mercado, chegando até a 90% de desconto para quem souber garimpar bem. 

Esta modalidade de negócio teve um crescimento exponencial no Estado pós-pandemia. De acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), os brechós cresceram 36% em todo o Espírito Santo, totalizando 360 unidades.

Nestes lugares é possível comprar os produtos usados a um preço muito menor em comparação aos novos, o que é um atrativo muito grande para quem quer economizar, mas não abre mão da qualidade. 

>> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas? Participe da nossa comunidade no WhatsApp ou entre no nosso canal do Telegram!

Publicidade

Os brechós surgiram ainda no século 19, nos Estados Unidos e Europa, nascidos de eventos de quermesses que procuravam beneficiar pessoas de baixo poder aquisitivo. 

"Isso se proliferou pelo mundo afora, no Brasil é uma cultura que circulou inicialmente também em bazares filantrópicos. E hoje em dia, depois da pandemia, o brechó foi uma alternativa que deu muito certo, que fez surgirem diversos pontos comerciais e a gente vê que hoje é uma forma de muitas pessoas com baixo poder aquisitivo comprar peças que talvez antes não fosse possível", relata o professor e especialista em moda Josué Vasconcelos.

Publicidade

Ainda segundo Vasconcelos, as peças ofertadas nestes comércios são geralmente itens de alta qualidade de tecido, costura, criação e design. Os brechós se tornaram lojas, inclusive incentivadas por sua sustentabilidade em relação à valorização histórica das peças. 

Não acredita? Em brechós no Espírito Santo, um cliente pode comprar uma bolsa usada que, na loja, custa em torno de R$ 10 mil. No brechó? Sai por cerca de R$ 900. Boa qualidade e preço reduzido em uma mesma peça. 

Publicidade

Desapego como negócio

Quem embarcou na onda do comércio de usados foi Daniele Gonçalves, que iniciou um brechó virtual. Tudo foi tocado por ela mesma, desde a criação do site, até as fotos com roupas à venda. 

O sucesso foi tão grande, que apenas o site não era capaz de atender toda a demanda, por isso, ela precisou alugar um espaço físico em Vitória para receber os clientes. 

Assim como afirmou Vasconcelos, Thiago Kroebel, dono de um brechó em Vila Velha, conta que a pandemia foi um grande incentivador para iniciar no mercado. No comércio, é possível achar de tudo, desde roupas, até livros que custam a partir de R$ 5.

Leia Também: A importância da escolha correta da iluminação

“A gente percebeu que depois da pandemia, as coisas estão muito caras e vimos que as pessoas voltaram a procurar itens usados", contou o empreendedor.

De acordo com ele, o desprendimento material é a máxima deste tipo de negócio. Do lucro das peças vendidas, 50% fica com ele a outra metade vai direto para o fornecedor. "Trabalhamos com a questão do desapego", completou. 

*Com informações do repórter Lucas Pisa, da TV Vitória/Record TV

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.