Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Disfarce é descoberto: chefe do tráfico preso no ES fingia ser produtor de café

Segundo a Polícia Civil, Dalvim Mungo, que estava foragido, foi localizado através do Disque-Denúncia 181. Ele foi capturado em Santa...

Folha Vitória|

Folha Vitória
Folha Vitória Folha Vitória

O traficante de drogas mais "importante e famoso" do município de Santa Maria de Jetibá, na região Serrana do Espírito Santo, se passava por agricultor do ramo de café em Santa Teresa. Ele foi preso na última quinta-feira (1º). 

Segundo informações divulgadas pelo chefe da 12ª Delegacia Regional de Santa Teresa, delegado Leandro Barbosa, o homem, identificado como Dalvim Mungo, de 43 anos, tinha dupla identidade.

"Ele era o chefe, ele comandava o tráfico no município de Santa Maria de Jetibá. Entretanto, na zona rural de Santa Teresa, ele era apenas um camponês, um produtor rural. Esse era o disfarce perfeito para quem precisa fugir da polícia", narra.

>> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas? Participe da nossa comunidade no WhatsApp ou entre no nosso canal do Telegram!

Publicidade

O homem, que estava foragido, foi localizado através do Disque-Denúncia 181. O delegado explica que o órgão realizou um levantamento de todos os mandados de prisão dos municípios que compõem a 12ª Delegacia Regional. 

"Usamos bases de consulta disponível. Encontramos pessoas falecidas, presas e pessoas que tinham que ser capturadas", esclarece. 

Publicidade

Em um segundo momento, de acordo com o delegado, foi divulgada a imagem de Dalvim. Com isso, a polícia recebeu três denúncias. A partir do momento, o Dalvim foi monitorado durante o dia e conseguiram realizar a prisão dele. 

Segundo o delegado, o criminoso ficou surpreso no momento da prisão na região de Santa Teresa . 

Publicidade

"Naquela localidade, ele se passava por agricultor. Ele não imaginava e ficou bem surpreso. Era bem tarde da noite, o local possuía um difícil acesso, Dalvim nem acreditou que estava sendo capturado naquele contexto", narra.

Investigações começaram após extorsão

Segundo a Polícia Civil, as investigações começaram porque a polícia foi procurada por vítimas que teriam sido extorquidas por Dalvim. Ele inventava dívidas de valores altos e sob ameaça que o usuário era obrigado a pagar, muitas vezes valores além do que deviam.

"A partir disso, usando a partir de familiares, o traficante ia até a agência bancária para realizar saques ou para transferências. Caso contrário era morte na certa", destaca o delegado Leandro Barbosa.

Ainda segundo as investigações, a família de Dalvim comandava o crime organizado de Santa Maria de Jetibá há quase 40 anos. "Eles se dedicavam de geração em geração, tanto que o filho dele também foi preso", narra. 

Após a ação, o criminoso vai responder por tráfico de drogas. 

O delegado-geral da Polícia Civil (PCES), José Darcy Arruda, reforçou a importância da ajuda da população no trabalho das forças de segurança por meio do disque-denúncia, o 181.

"Quero agradecer a imprensa, pois ajudam a divulgar pessoas que precisamos prender. Além disso, agradecer ao 181 e a população que confia no nosso trabalho da PC. O resultado está aí, mais de 38% das pessoas presas naquela região, fechando com o traficante que tinha como atividade econômica o tráfico de drogas", finaliza o delegado-geral.

*Com informações da repórter Gabriela Valdetaro, da TV Vitória/ Record TV 

LEIA TAMBÉM: Ladrão assalta loja de bolos na Serra e não poupa nem salgadinhos

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.