Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Doméstica e marido planejaram por dois anos assalto à casa dos patrões na Mata da Praia

De acordo com a Polícia Civil, o roubo ocorreu mediante simulação da suspeita de ter sido sequestrada na casa onde morava

Folha Vitória|

Folha Vitória
Folha Vitória Folha Vitória

Após investigações terem levado à prisão de três suspeitos que atuaram em um roubo com restrição de liberdade da vítima, no dia 06 de abril, no bairro Mata da Praia, em Vitória, a Polícia Civil conseguiu desvendar mistérios ocultos. O principal deles é que quem planejou o crime foi a doméstica que trabalhava no local há oito anos e o marido dela. Eles têm, respectivamente, 42 e 38 anos de idade.

De acordo com a Polícia Civil, o roubo ocorreu mediante simulação da suspeita de ter sido sequestrada na casa onde morava.

>> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas? Participe da nossa comunidade no WhatsApp ou entre no nosso canal do Telegram!

Em coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira (22), o delegado-geral da Polícia Civil, José Darcy Arruda, além dos delegados Gabriel Monteiro, chefe do Departamento Especializado de Investigações Criminais (Deic) e Gianno Trindade, chefe da Divisão de Repressão aos Crimes Contra o Patrimônio (DRCCP), detalharam o caso.

Publicidade

Inicialmente, Arruda ressaltou que o que houve foi um roubo com privação de liberdade, com requinte de crueldade. “O Deic prontamente foi acionado, eu mesmo passei o caso para eles e eles desenvolveram a operação, prendendo os suspeitos”, afirmou.

Gabriel Monteiro também reforçou que o trabalho realizado foi complexo e que precisou de dias e representações judiciais, sendo que todos os envolvidos foram presos, com exceção de uma oitava pessoa que ainda não foi identificada.

Publicidade

À frente das investigações, Trindade disse que a situação foi noticiada a princípio como sequestro de uma doméstica em Jacaraípe, na Serra, tendo os sequestradores levado essa mulher até à casa da patroa, onde então ela, em posse das chaves da casa, deu acesso aos criminosos.

“Uma vez dentro da residência, algemaram as pessoas ali, com exceção de um senhor, porque já sabiam previamente que ele tinha fobia; e também com exceção da doméstica. Nós fomos desenvolvendo a investigação e interrogamos a doméstica e o marido dela, que é um ex-presidiário, que tinha passagem por tráfico. Descobrimos ao longo da investigação que esse crime estava sendo planejado há cerca de 2 anos”, iniciou.

Publicidade

O marido da suspeita (identificada como VFC), estava solto, monitorando a família, recebendo informações privilegiadas da doméstica sobre onde os moradores do domicílio alvo guardavam dinheiro e joias.

“Fizemos um interrogatório do marido e algumas situações começaram a ficar incongruentes. Ele falou que a casa dele, onde teria havido em tese o sequestro, que foi simulado, estava com o portão aberto, tanto o de fora quanto o da residência, que não houve arrombamento. Isso acendeu um alerta. Outros pontos: os celulares da família da Mata da Praia foram destruídos, mas os da família da doméstica foram entregues intactos e ele não soube explicar o motivo”, pontuou a autoridade policial.

Além disso, nos dois dias anteriores ao crime, 4 e 5 de abril, o marido da doméstica (FLD) estava próximo à casa das vítimas. Apesar de ele ter tentado negar, a prova era objetiva. Então vários elementos foram levando à construção do fato de que aquilo teria sido simulado.

“E pelas imagens do videomonitoramento percebe-se que quando o Civic branco para, uma pessoa salta, chega até à porta da doméstica e fica na frente do veículo por um tempo. Salta então outra pessoa, elas entram, mais tarde um deles volta e um terceiro elemento salta do carro. Começa a ficar contraditório com o interrogatório da doméstica e do marido, que teriam sido abordados simultaneamente por três indivíduos na casa da doméstica”, acrescentou.

Outro ponto que chamou à atenção, segundo o delegado, foi a saída da suspeita, sendo que um criminoso estava à frente e ela atrás, o que causa estranheza para um sequestro. Foram então estes “fios soltos” que precisaram ser conectados no quebra-cabeça para chegar à conclusão de que havia sim o envolvimento do marido e dela, embora negassem em um primeiro momento.

“Descobrimos que o marido dela já teve uma amante, que já tinha passagem por furto em residência com um outro rapaz. Coisa de novela mexicana. Esse rapaz foi apresentado às vítimas por imagens e foi reconhecido como envolvido. No carro, ao todo, havia cinco pessoas e oito no total participando. Uma vez preso, o marido deu algum detalhe, confessando em parte o crime e jogando para um terceiro que o teria procurado com as informações já prontas”, disse Gianno.

Curiosidade: a doméstica, que trabalhava no local há 8 anos, detinha tamanha confiança da família proprietária da casa invadida que a residência em que foi simulado o sequestro era também pertencente aos empregadores, que a deixavam morar nela. Esta casa seria passada para o nome dela no futuro.

Carro que capotou em Timbuí tem relação com o caso

Outro ponto a que o delegado chamou atenção foi para uma operação em que foi realizada em Timbuí, distrito de Fundão, na Grande Vitória. Foi realizada uma perseguição pela Polícia Militar a um veículo roubado, em que três indivíduos capotaram com o carro e foram presos à ocasião.

Uma dessas pessoas confessou a participação no crime da Mata da Praia e disse que foi tramado pelo marido da doméstica. Esta pessoa presa chamou mais duas, sendo uma delas um rapaz de 20 anos que foi assassinado em uma barbearia em Jacaraípe.

O rapaz morto havia ficado encarregado de conseguir o Honda Civic usado na simulação do assalto, por R$ 20 mil, e levar também a arma para a prática do crime. “Esse rapaz, segundo os presos, também foi responsável por uma participação no roubo do médico e ex-deputado em Jacaraípe, na madrugada de 17 de março, conseguindo carro e armamento”, pontuou a autoridade.

Prejuízo do crime na Mata da Praia

No crime da Mata da Praia foi arrecadado cerca de R$ 35 mil na casa, muito menos do que os suspeitos esperavam conseguir.

“A proposta quando começaram a agenciar os outros, era de que tivesse R$ 5 milhões na casa, uma vez que o senhor proprietário é um empresário e movimenta dinheiro para o pagamento de funcionários. Levaram cerca de 800g em ouro, que deu cerca de R$ 1 mil e R$ 14 a 15 mil ficaram com o rapaz que morreu na barbearia, porque ele foi responsável por adquirir o carro que foi incendiado ao final das contas. Ele recebeu mais porque tinha a dívida do carro e da arma. Depois, R$ 3.400 a 4 mil foram divididos para cada um dos outros, ou seja, foi um plano bem frustrado por parte deles, que esperavam milhões”, relatou a autoridade.

Envolvidos

Doméstica (VFC, 42 anos);

Marido da doméstica (FLD, 38 anos);

Suspeito com histórico de 7 folhas de ficha criminal, entre homicídios e roubos (JCA, 47 anos);

RMAS, 45 anos; todos com passagem;

RCZM, 32 anos;

DPAG, 28 anos;

Rony Oliveira dos Santos, 20 anos, que acabou morrendo em uma barbearia;

Uma pessoa ainda não identificada, chamada pelo suspeito que está morto;

Os crimes

Os crimes imputados aos envolvidos são:

Roubo triplamente majorado com restrição de liberdade da vítima, concurso de agentes e uso de arma de fogo;

Dano qualificado: incêndio ao carro;

Perigo comum: já que incendiaram o veículo próximo a residências.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.