Folha Vitória Familiares e amigos de músico morto por PM em Vitória fazem protesto em frente a quartel

Familiares e amigos de músico morto por PM em Vitória fazem protesto em frente a quartel

O ato, que teve início às 15h, acontece em frente à Corregedoria da Polícia Militar, na Avenida Maruípe, no bairro São Cristovão, em...

Folha Vitória
Foto: Arte/Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Amigos e familiares de Guilherme Rocha, de 37 anos, foram às ruas nesta terça-feira (18) para pedir justiça pelo músico, que morreu após ser baleado em uma discussão por causa do som alto em um condomínio do bairro Jardim Camburi, em Vitória. 

>> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas? Participe da nossa comunidade no WhatsApp ou entre no nosso canal do Telegram! 

O ato, que começou às 15h, acontece em frente à Corregedoria da Polícia Militar, na Avenida Maruípe, no bairro São Cristovão, em Vitória. Nas redes sociais, os amigos destacam que "não deixarão o crime impune e precisam do apoio para lutar por Justiça". 

Durante a ação, cerca de 40 amigos e familiares se reuniram em uma manifestação pacífica.  

Veja a publicação: 

Foto: Reprodução / Instagram
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O caso

O músico foi morto após discutir com um vizinho, soldado da Polícia Militar, dentro de um condomínio, localizado em Jardim Camburi, em Vitória. O caso aconteceu na madrugada de segunda (17).

Segundo informações da Polícia Militar, o suspeito de cometer o crime estaria bebendo com os amigos na entrada principal do prédio.

A vítima, que além de músico é bacharel em Direito e empresário, desceu para reclamar do som alto e logo em seguida foi atingido por um disparo de arma de fogo. 

A síndica do condomínio contou que o tipo de reclamação contra o policial era comum. A vítima, inclusive, já chegou a formalizar uma queixa sobre barulho durante a madrugada.

Em depoimento, o PM alegou legítima defesa, pois Guilherme o havia agredido, o que foi descartado pela síndica do condomínio, que informou que em momento algum Guilherme foi violento.

Após apuração da Divisão Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Vitória, a Polícia Civil pediu a prisão temporária do policial militar, de 28 anos.

LEIA TAMBÉM: Morte em condomínio: amigo de policial pode responder  por crime, diz polícia 

Últimas