Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Fantasias de Carnaval que iriam para o lixo viram artesanato e renda para famílias capixabas

Durante os três dias de desfiles no Sambão do Povo, os integrantes do projeto ReciclaFolia recolheram 15 toneladas desses materiais...

Folha Vitória|

Folha Vitória
Folha Vitória Folha Vitória

O que iria para o lixo se transformando em artesanato! Um projeto que transforma fantasias de Carnaval em arte ganhou destaque em Vitória. Assim que acabam os desfiles, todos os anos, os foliões doam esses adereços que fazem as agremações ficarem ainda mais especiais quando entrarm na avenida do Sambão do Povo.

LEIA TAMBÉM: Carnaval de Vitória: apuração acontece na quarta e será aberta ao público

Cada uma das doações feitas foram entregues aos 40 voluntários que ajudaram na coleta desse material que iriam, provavelmente, para o descarte. 

Quer receber nossas notícias de entretenimento 100% gratuitas? Participe do nosso grupo de notícias no WhatsApp ou entre no nosso canal do Telegram!

Publicidade

E pensando em transformar tudo isso em arte, o projeto ReciclaFolia entrou em ação. Com esse trabalho, a equipe ajuda a diminuir o impacto desses materiais no meio ambiente e ainda garante renda para várias famílias. 

LEIA TAMBÉM: Confira um resumão de como foram os três dias do Carnaval de Vitória

Publicidade

Em 2023, durante os três dias de desfiles no Sambão, o projeto, que conta com o apoio da Prefeitura de Vitória, recolheu 15 toneladas desses materiais. 

"Vitória é pioneira na coleta e na destinação de fantasias e adereços. O apoio que estamos recebendo da Central de Serviços é gratificante, pois ninguém faz nada sozinho", disse Cida, Maschen coordenadora do projeto.

Publicidade

LEIA TAMBÉM: Carnaval de Vitória: seguidores do Folha Vitória elegem MUG e Novo Império como favoritas ao título

Os foliões ecológicos são o público-alvo do projeto e sempre marcam presença na dispersão do Sambão nos três dias de folia fazendo abordagens e conscientizando as pessoas sobre o descarte correto das fantasias. 

"O projeto tem como prioridade a preservação do meio ambiente, o fomento da cultura e a geração de renda. A gente só sai do Sambão quando a última escola encerra o desfile e depois que a gente acaba de recolher todas as fantasias para que as fantasias não sejam jogadas no meio ambiente e que doem para que sejam reutilizadas", pontua Cida.

E não para por aí! Durante o Carnaval teve até marchinha para chamar atenção e atrair mais doadores. Se liga:

Marchinha do ReciclaFolia

"Não jogue sua fantasia no meio ambiente, traz pra cá

O recicla folia está aqui para reciclar

Cultura e cidadania, vamos juntos preservar

O reciclafolia está aqui para reciclar

Entre nessa mania, doe sua fantasia

Vamos o meio ambiente preservar..."

MATERIAL REUTILIZADO

Após ser recolhido, parte do material do projeto, que conta com 20 artesãs, é separado, transformado em arte e gerando renda para várias famílias capixabas. 

O grupo conta com o apoio da Agência de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas e do Empreendedorismo e parte do que é feito pelas profissionais é levado para feiras promovidas pela Aderes durante o ano.

"Nós temos lojas físicas para artesãos, economia solidária e para os microempreendedores, onde eles podem comercializar os produtos e usar esse local de forma gratuita", reforça Renato Alexandre, gerente de economia solidária da Aderes

ENTENDA MAIS SOBRE O PROJETO

Folha Vitória
Folha Vitória Folha Vitória

Criado em 2008, o ReciclaFolia chegou com a proposta de coletar, reciclar e transformar esses resíduos de Carnaval em fonte de renda em comunidades carentes. 

Além disso, o projeto também incentiva a doação de fantasias para blocos e escolas de samba do interior, escolas públicas, grupos de teatro e unidades do Centro de Atenção Psicossocial (Caps).

Quando foi criado o projeto, alguns alunos do curso de Gestão Ambiental e moradoras do Circuito Cultural da Grande Santo Antônio resolveram fotografar os locais onde eram descartados esses apetrechos do Carnaval.

Sempre depois dos desfiles, esses adereços são jogados em terrenos baldios, nas praias, no mangue e em latas de lixo. Pensando adiante e em como mudar o destino desses materiais, foi criado o ReciclaFolia, projeto que atua na diminuição desses resíduos no Espírito Santo.

O projeto se transformou em entidade sem fins lucrativos para permitir parcerias e patrocínios e ampliar a atuação. Além disso, passou a se chamar Núcleo de Desenvolvimento Socioambiental e Cultural ReciclaFolia.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.