Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Notícias R7 – Brasil, mundo, saúde, política, empregos e mais
Publicidade

Funcionário de loja de fast-food faz xixi na calça por não poder ir ao banheiro

O caso aconteceu em um shopping de Aracaju, em Sergipe. A rede envolvida disse que está apurando o caso e afastou os envolvidos

Folha Vitória

Folha Vitória|Do R7

Folha Vitória
Folha Vitória Folha Vitória

Circula nas redes sociais um vídeo em que o funcionário da rede de fast-food Burger King aparece com marcas de urina na própria calça. Segundo o colaborador, isso ocorreu porque a empresa não permite a saída do quiosque, localizado em um shopping em Aracaju (SE), para ir ao banheiro.

"Se eu sair a primeira vez, levo advertência. Se sair a segunda vez, levo suspensão. Se sair a terceira vez, levo [demissão por] justa causa", relata o rapaz, que se identifica como José Vinícius, atendente fechador da loja.

>> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas? Participe da nossa comunidade no WhatsApp ou entre no nosso canal do Telegram!

Confira a nota da rede de fast-food

"Lamentamos profundamente o ocorrido na última quinta-feira, 18/5, em Aracaju, e reforçamos que não toleramos nenhum tipo de falta de respeito. Informamos que as pessoas envolvidas no caso foram afastadas enquanto apuramos todas as informações. Estamos prestando todo o apoio e acompanhando o colaborador. Temos na nossa cultura a prática do respeito com as pessoas em qualquer ambiente, e não deixaremos de tomar todas as medidas cabíveis."

Publicidade

Para Danilo Schettini, da Advocacia Schettini, "a conduta praticada contra o funcionário do Burger King é claramente característica de abuso de poder praticado pelo empregador e configura uma espécie de assédio moral".

"De fato, a empresa tem alguns poderes de mando e controle e pode, em alguns momentos, determinar situações que os empregados devem obedecer no ambiente de trabalho. A desobediência, de fato, pode gerar punições, como advertência, suspensão e até mesmo justa causa. No entanto, esse poder encontra limites, sobretudo quando confrontados com direitos fundamentais garantidos na Constituição Federal, principalmente os direitos ligados à personalidade, previstos no artigo 5º da Constituição Federal, e à dignidade da pessoa humana, previstos no artigo 1º, também da CF", argumentou o advogado.

Publicidade

A reportagem tentou contato com o Ministério do Trabalho e Emprego, mas não teve retorno. Se isso ocorrer, esta matéria será atualizada.

*Com informações do Portal R7

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.