Folha Vitória Homem é preso em flagrante com documento falso ao abrir conta em banco de Vitória

Homem é preso em flagrante com documento falso ao abrir conta em banco de Vitória

O suspeito disse para a polícia que comprou o documento de identidade falso pela internet após passar por uma crise financeira

Folha Vitória
Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Um homem de 30 anos foi preso em flagrante usando documento falso para tentar abrir uma conta em uma agência bancária no bairro Jucutuquara, em Vitória.

A prisão foi realizada por uma equipe da Delegacia Especializada de Defraudações (Defa). Durante o depoimento, o suspeito alegou que comprou o documento de identidade com os dados falsos pela internet.

>> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas? Participe do nosso grupo de notícias no WhatsApp ou entre no nosso canal do Telegram!

De acordo com o titular da Defa, delegado Douglas Vieira, a versão apresentada pelo homem não convenceu os investigadores do caso.

"Obtivemos informação que indivíduos estariam tentando abrir conta em bancos com uso de documentos falsos. Monitoramos esse individuo, fizemos a abordagem e pedimos que apresentasse o documento. Ele nos apresentou uma identidade falsa. Acreditamos que ele não agia sozinho. Ele mencionou que adquiriu o documento por meio das redes sociais e que pagou R$ 250 para conseguir abrir contas em bancos", explicou.

LEIA TAMBÉM: PRF flagra 31 turistas mineiros em baú de caminhão no ES

Após ter sido flagrado, o suspeito disse que trabalha como motorista de aplicativo. Para tentar justificar o erro, ele contou para a polícia que teve a ideia da fraude bancária após passar por uma crise financeira. A polícia, no entanto, acredita que ele tinha outros comparsas.

"Ele iria abrir em diversos bancos. Nosso trabalho de inteligência apontou que ele estava junto com outros indivíduos tentando abrir contas. Segundo as informações que obtivemos, os outros indivíduos já foram embora do Espírito Santo", disse.

Desde o começo deste ano, 14 pessoas foram presas no Estado praticando esse tipo de crime. 

O delegado destacou que, muitas vezes, os documentos das vítimas são usados por criminosos que abrem contas falsas e recebem dinheiro de outros crimes, como o sequestro do Pix.

LEIA TAMBÉM: Estelionatário foragido dos EUA é preso em apartamento na Serra

Segundo a polícia, os criminosos geralmente se passam, por telefone, por funcionários de bancos para recolher informações pessoais das vítimas. Após terem os dados, os suspeitos falsificam os documentos e, logo depois, procuram uma agência bancária.

O objetivo é conseguir financiamento, linha de crédito e empréstimos. Em muitos casos, de acordo com a polícia, as vítimas só descobrem que foram vítimas do golpe após perceberem que o nome foi negativado. 

Por isso, a população precisa ficar atenta e desconfiar de ligações suspeitas.

*Com informações da repórter Suellen Araújo, da TV Vitória/Record TV.

Últimas