Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Julgamento de Georgeval Alves é confirmado para o dia 18 de abril

O júri estava previsto inicialmente para o dia 3 de abril, mas houve o abandono da sessão pelos advogados do réu

Folha Vitória|

Folha Vitória
Folha Vitória Folha Vitória

O julgamento de Georgeval Alves Gonçalves, acusado de matar, estuprar e torturar o filho e o enteado, foi confirmado para a próxima terça-feira (18), no Fórum Desembargador Mendes Wanderley, sob a presidência do juiz da 1ª Vara Criminal de Linhares, Tiago Fávaro Camata.

O júri estava previsto inicialmente para o dia 3 de abril, mas houve o abandono da sessão pelos advogados do réu. Diante disso, o magistrado impôs uma multa de R$ 260 mil aos mesmos e reagendou o julgamento para o dia 18, ficando o réu Georgeval Alves Gonçalves intimado a constituir novo advogado, ciente de que seria restabelecida a nomeação do advogado dativo, Dr. Deo Morais, para promover a defesa.

Além disso, o magistrado indeferiu o requerimento de decretação do segredo de justiça e manteve a prisão preventiva do réu. O julgamento terá início às 9 horas da terça-feira e está previsto para durar três dias.

Por parte do magistrado que conduzirá a sessão, não há impedimento para que a imprensa acompanhe o júri, tendo sido realizado um cadastramento junto a esta assessoria de todos os jornalistas que pretendem acompanhar o julgamento.

Publicidade

Crime aconteceu há cinco anos

O crime teria acontecido no dia 21 de abril de 2018, por volta das 2h, na casa onde moravam o réu e as vítimas, filho e enteado do denunciado, no centro de Linhares.

Segundo a denúncia do Ministério Público Estadual (MPES), no dia e local mencionados, o denunciado teria estuprado e torturado as vítimas, colocando-as desacordadas na cama localizada no quarto das crianças.

Publicidade

“Logo em seguida, empregou agente acelerante (líquido inflamável) no local e ateou fogo, causando as mortes das vítimas por ‘carbonização’”, diz a denúncia.

A justiça decidiu que o ex-pastor Georgeval seria submetido a júri popular.

Leia também: Laudo de Georgeval não apresenta sinais de psicopatia

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.