Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Notícias R7 – Brasil, mundo, saúde, política, empregos e mais
Publicidade

Justiça determina desocupação de reserva ambiental em Anchieta em 30 dias

Al´´em da desocupação, a Justiça também determinou que o município inicie a recuperação ambiental da área afetada

Folha Vitória

Folha Vitória|Do R7

Folha Vitória
Folha Vitória Folha Vitória

A Justiça atendeu os pedidos do Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES) e determinou, de forma liminar, a desocupação de moradores irregulares de uma área de preservação ambiental em Anchieta.

A decisão judicial decorre de Ação Civil Pública (ACP) ajuizada pelo MPES para município de Anchieta e de várias pessoas que invadiram a área de preservação ambiental.

>> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas? Participe da nossa comunidade no WhatsApp ou entre no nosso canal do Telegram!

O espaço em questão está situado na Unidade de Conservação Reserva de Desenvolvimento Sustentável Papagaio, no entorno do loteamento Fazenda São Martinho e o processo de desocupação deve ocorrer no prazo máximo de 30 dias.

Publicidade

A ação foi movida por meio da Promotoria de Justiça de Anchieta e, nesse período de 30 dias, a Secretaria de Assistência Social do município deve realizar a busca ativa das famílias que residem na área e verificar a possibilidade de concessão de aluguel social, nos termos da Lei Municipal nº 836/2013. 

LEIA TAMBÉM: Governo anuncia mais 76 escolas em tempo integral até 2026

Publicidade

Além disso, o município também deve realizar práticas mitigatórias, de cunho social, em favor dos moradores.

Após o prazo de 30 dias, caso a área de proteção ambiental não seja desocupada, todos os ocupantes do local deverão ser compulsoriamente retirados, com auxílio de força policial, se necessário. O município de Anchieta deverá providenciar a demolição das construções existentes na área.

Publicidade

Prefeitura deve realizar a recuperação da área

A Justiça também atendeu pedido do Ministério Público e determinou que o município inicie a recuperação ambiental da área, instalando placas de aviso nos acessos da unidade, em especial nas áreas de fácil acesso mais propensas às invasões.

A decisão judicial decorre de Ação Civil Pública (ACP) ajuizada pelo MPES para município de Anchieta e de várias pessoas que invadiram a área de preservação ambiental. 

LEIA TAMBÉM: Prefeitura do ES é condenada por não pagar direitos autorais de show ao vivo

O Ministério Público instaurou inquérito civil para acompanhar o caso e constatou que os invasores suprimiram a vegetação do local e promoveram edificações irregulares. Pelo menos cinco famílias ergueram construção improvisada na região, desprovidas de saneamento básico (água e esgoto).

Por meio de nota, a Prefeitura de Anchieta informou que "as cinco famílias que realizaram as invasões, sem consentimento da Prefeitura, foram autuados há alguns meses. Técnicos das secretarias de Assistência Social e do Meio Ambiente visitaram as famílias e as que se encaixaram aos benefícios sociais estão sendo assistidas".

Ainda segundo a nota, oficialmente o município ainda não notificado com a nova decisão e irá seguir com as determinações assim que houver notificação.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.