Folha Vitória Lágrimas e revolta na despedida de músico assassinado em Vitória

Lágrimas e revolta na despedida de músico assassinado em Vitória

Guilherme Rocha, de 37 anos, foi morto após uma discussão com um vizinho, policial militar, por conta de música alta durante a madrugada...

Folha Vitória
Foto: Reprodução TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Na tarde desta segunda-feira (17), amigos e familiares se despediram do músico Guilherme Rocha, assassinado na madrugada do último domingo (16), após uma discussão com um policial militar no condomínio onde morava, em Jardim Camburi, Vitória. 

>> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas? Participe da nossa comunidade no WhatsApp ou entre no nosso canal do Telegram!

Durante o cortejo, lágrimas, saudade, revolta e muita música. Querido pelos compositores capixabas, muitos tiraram um tempo para se despedir de Guilherme em seus últimos momentos.

"Guilherme sempre foi a expressão verdadeira da alegria e do músico por excelência, acima de tudo, um grande músico, companheiro de diversos músicos aqui de Vitória, do Espírito Santo, um amigo. Ele deixa realmente um legado de alegria e competência", contou o músico e professor Jeferson Pontes. 

Os amigos, ainda em choque, não conseguiam acreditar na perda precoce do músico de apenas 37 anos e ajudaram a mover o corpo rapaz para ajudar a esposa ainda durante a madrugada. 

"Recebi um telefonema durante a madrugada me contando do ocorrido no condomínio, a pedido da esposa, mas não foi a esposa, ele pediu que outra pessoa ligar, porque ela estava dentro do apartamento. Pois se ela saísse veria o corpo dele, então fomos ajudar fazer o possível", contou o amigo Renato Trevizani, visivelmente abalado. 

"Um cara do bem, nunca teve desavença com ninguém, a gente está sem entender", definiu Joubert Oliveira, amigo que também ajudou a transportar o corpo de Guilherme.  

LEIA TAMBÉM: "Não houve nenhuma agressão", diz pai de músico morto por PM

No momento do crime, o policial de 28 anos bebia com amigos na porta principal do prédio, quando Guilherme, que brincava com enteada, decidiu se queixar, pois já se passava das três da manhã e o grupo ouvia música muito alta. 

De acordo com a síndica do prédio, Mônica Bicalho, reclamações sobre o PM são constantes e o próprio Guilherme já havia formalizado uma queixa no condomínio. 

Leia Também: VÍDEO | Veja o momento em que PM dispara contra músico em condomínio de Vitória

"A própria vítima pediu que parasse, porque eles começaram geralmente depois das 23h e só acabava às 5h da manhã. E enquanto condomínio, fizemos tudo dentro da lei. Foi uma notificação verbal, depois notificação por escrito, mas não deu tempo de entregar a multa", relatou. 

Após o crime, o policial chamou a PM e a equipe do Samu, mas disse que agiu em legítima defesa, pois Guilherme tentou tomar a arma da sua mão. A versão foi descartada pela síndica após analisar as imagens de segurança.

LEIA TAMBÉM: Polícia Civil pede prisão temporária de PM que matou músico em Vitória

Na tarde desta segunda, a Polícia Civil decretou a prisão do policial, algo que foi celebrado pelo governador Renato Casagrande nas redes sociais, como uma vitória contra a impunidade. 

Ao pai de Guilherme, Glício da Cruz Soares, resta apenas a saudade e o amor. 

"Falar de Guilherme é falar de alegria, de vivacidade. Era um cara super alegre, companheiro, amigo, leal, excelente cozinheiro, um filhão educado, amoroso", desabafou. 

*Com informações da repórter Danielle Cariello, da TV Vitória/Record TV 

Últimas