Folha Vitória Operador de máquinas cria perfil, se passa por mulher e mata homem após ciúmes da ex, na Serra

Operador de máquinas cria perfil, se passa por mulher e mata homem após ciúmes da ex, na Serra

Suspeito teria descoberto que a ex mulher teve em um relacionamento com a vítima, em dezembro do ano passado

Folha Vitória
Foto: Reprodução/ Polícia Civil
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Um homem de 38 anos foi detido após premeditar e executar um jovem, operador de máquinas, dentro de uma lanchonete em Feu Rosa, Serra. A morte do rapaz ocorreu em janeiro, e até então a polícia suspeitava de latrocínio. No entanto, foi descoberto que a ação haveria sido previamente planejada por motivos de ciúmes.

O caso, que havia sido anteriormente considerado como roubo seguido de morte devido ao desaparecimento do celular da vítima, levantou questionamentos durante as investigações. 

>> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas? Participe da nossa comunidade no WhatsApp ou entre no nosso canal do Telegram!

Câmeras de segurança da região flagraram o suspeito esperando em uma moto por 20 minutos antes de cometer o crime, com disparos a queima-roupa. Além disso, testemunhas afirmaram que nenhum assalto foi anunciado.

De acordo com o relatório da Polícia Civil (PC), o suspeito, que também exerce a função de operador de máquinas, teria descoberto que a ex esposa esteve em um relacionamento com a vítima, em dezembro do ano passado.

"Nós descobrimos durante as investigações que se tratava de um crime premeditado e passional. A vítima estaria se relacionando com a ex mulher do autor", confirmou o delegado Gianno Trindade.

Manipulação virtual

Ainda segundo a polícia, o assassino frequentava a casa da ex companheira devido à guarda de um filho em comum. Durante uma visita, ele teria utilizado a digital da mulher enquanto ela dormia, para desbloquear o celular da ex esposa. 

"Há relatos inclusive que ela possa ter sido dopada para conseguir esse intento, que era desbloquear o celular. Então, ele tem acesso às conversas que ela havia tido com a vítima", confirmou o delegado Gianno Trindade.

Em seguida, o suspeito comprou um chip e passou a conversar com o jovem, assumindo a identidade de uma mulher imaginária. Com um perfil falso, o homem desenvolveu um relacionamento virtual com a vítima.

Após várias tentativas falhas de marcar encontros, o jovem finalmente compareceu, no entanto, o suspeito não se apresentou. Ao invés disso, o homem seguiu a vítima secretamente até a casa, com o intuito de descobrir onde o jovem morava.

"Foi o primeiro caso de homicídio passional que pego com tantos detalhes peculiares como esse, que demonstram além da fúria e ciúmes por parte do autor, uma frieza. Em todas as etapas, preparação, execução, ele foi extremamente frio", comentou o delegado.

Execução planejada

Na ocasião do crime, a vítima havia marcado dois encontros. Um deles seria com uma jovem que ele teria conhecido em um aplicativo de relacionamentos. O outro, seria com o assassino, que se passava por uma mulher.

O jovem de 26 anos estava sendo seguido desde o momento em que saiu de casa. Segundo o depoimento do suspeito, ele teria matado a vítima na porta de casa, em Vila Nova de Colares, caso possuísse uma rota de fuga em mente.

Marcos Paulo Venturin foi atingido com disparos na nuca enquanto estava na lanchonete. O jovem foi levado para o hospital, porém não resistiu aos ferimentos e faleceu horas depois.

Detalhes peculiares

Ainda segundo a polícia, o criminoso afirmou ter levado o celular da vítima para apagar as conversas que haviam tido. No entanto, os policiais suspeitam que o homem teria a intenção de tentar se relacionar novamente com a ex mulher.

"Ele tira o chip da vítima, coloca em um celular antigo que ele tinha na casa, e ainda com a foto da vítima ele começa uma conversa com a mulher. O jovem já estava morto. Ele se passa pela vítima para tentar conversar com a ex mulher", explicou o delegado.  

Após a retirada do chip, o assassino vendeu o aparelho celular da vítima para o próprio sobrinho, pelo valor de R$ 700. 

O suspeito foi preso enquanto estava na casa dos pais, em Santa Leopoldina, Região Serrana. De acordo com os agentes, a arma do crime teria sido alugada com traficantes de Cariacica. 

*Com informações do repórter da TV Vitória / Record TV, Caio Dias.

Últimas