Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Notícias R7 – Brasil, mundo, saúde, política, empregos e mais
Publicidade

Organização criminosa que usava documentos falsos em comércios e bancos do ES é presa

O grupo teria aplicado golpes em pelo menos em três municípios capixabas: São Mateus, Nova Venécia e Boa Esperança. Outros suspeitos...

Folha Vitória

Folha Vitória|Do R7

Folha Vitória
Folha Vitória Folha Vitória

Cinco homens e uma mulher suspeitos de integraram uma organização criminosa especializada em estelionato foram presos nesta semana em Boa Esperança, no Noroeste do Espírito Santo. Segundo a polícia, o grupo usava documentos falsos para aplicar golpes em comércios e bancos de cidades da região.

>> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas? Participe da nossa comunidade no WhatsApp ou entre no nosso canal do Telegram!

Entre os suspeitos, cinco presos são de São Paulo e um de Goiás. De acordo com as investigações, após realizarem compras e empréstimos, os suspeitos seguiram para outras cidades para dar sequência ao crime. Eles teriam aplicado golpes em pelo menos em três municípios capixabas: São Mateus, Nova Venécia e Boa Esperança.

Os suspeitos foram presos em uma ação da equipe da Delegacia de Boa Esperança e da Polícia Militar na última terça-feira (31). O delegado Wilian Dobrovosk explicou que os suspeitos presos recebiam documentos falsos de outra pessoa, que ainda não foi identificada, para aplicar os golpes.

Publicidade

"Com os documentos falsos (RG, comprovante de renda e de residência), eles iam de cidade em cidade para comprar em lojas por meio de crediário, para que não precisassem desembolsar nenhum valor. Eles faziam aquisição de produtos no limite do crediário e não pagavam", detalhou.

Segundo o delegado, os suspeitos também abriram contas em banco e tentavam empréstimos. Parte do valor era enviado para a pessoa que conseguia o documento falso para o grupo.

Publicidade

LEIA TAMBÉM: Suspeito de matar filho de vereadora pode ter envolvimento com o tráfico de drogas

A polícia descobriu a quadrilha depois que o gerente de uma loja desconfiou de um dos envolvidos e procurou a Polícia Militar.

Publicidade

"O gerente de uma loja de eletrodoméstico desconfiou quando um dos envolvidos foi até o estabelecimento para adquirir uma linha de crédito. Ele sempre comprava no crediário. O cadastro foi recusado por indicativo de fraude", disse o delegado.

O gerente ficou ainda mais intrigado quando percebeu que o suspeito tinha contradições. 

"Os estelionatários são pessoas que, normalmente, conversam bastante. No comércio, ele falou que estava na casa de parentes e depois disse que estava em um hotel", explicou o delegado.

O comerciante conversou com a Polícia Militar, que esteve no local indicado pelo suspeito e descobriu que já havia uma televisão de 65 polegadas na recepção. A Polícia Civil foi acionada.

A corporação pediu autorização da Justiça para entrar no quarto do suspeito e, no mesmo dia, foi autorizado. No local, os policiais encontraram documentos falsos, 14 celulares e 36 chips de operadoras.

LEIA TAMBÉM: Morte no Sambão: rapaz pode ter sido confundido por criminosos, diz secretário de Segurança

O delegado explicou que alguns produtos ficaram com os suspeitos. Outros são vendidos. Segundo a polícia, pelo menos dois celulares teriam sido vendidos para que os suspeitos comprassem drogas.

A polícia acredita que outras vítimas podem aparecer nos próximos dias, quando as empresas que concederam crediário aos suspeitos não receberem o pagamento. As investigações vão continuar para identificar outros envolvidos no crime.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.