Folha Vitória Saúde emocional dos adolescentes exige atenção

Saúde emocional dos adolescentes exige atenção

Dados alarmantes em relação à ansiedade, depressão, autolesão e suicídio estão chamando a atenção para a saúde mental dos jovens em...

Folha Vitória
Foto: Divulgação/DINO

Existem diversas pesquisas que indicam que a saúde mental dos adolescentes está se deteriorando em paralelo com a evolução tecnológica. Uma pesquisa realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), constatou que a depressão e a ansiedade são as principais causas de doenças e incapacidades entre jovens de 10 a 19 anos e a cada 11 minutos 1 adolescente tira a própria vida ao redor do mundo. 

Especialistas acreditam que a evolução tecnológica e a utilização inadequada de dispositivos eletrônicos no período de desenvolvimento do cérebro é um dos principais fatores responsáveis por essa tendência alarmante. Além disso, as redes sociais podem contribuir para o aumento da pressão social, do isolamento e da exposição a conteúdos inapropriados para a idade, segundo relatório da Royal Society for Public Health que mediu o impacto das redes sociais na saúde mental e no bem-estar dos jovens.

Atentas a este fator e a necessidade do resgate das habilidades de vida na fase da adolescência, que é justamente a estruturação da base da vida adulta, as empreendedoras brasileiras Amanda Calvo (cofundadora e CEO), Daniela Mazzei (cofundadora e CFO) e Gabriela Mazzei (cofundadora e CKO) fundaram a empresa “Empoderamento Adolescente”. 

“O que sentimos no nosso dia a dia com os adolescentes é que existe uma carga muito grande de informações para processarem e, ao mesmo tempo, muitas habilidades fundamentais foram se atrofiando por conta do uso excessivo de tecnologia”, conta Amanda. “Para ter uma ideia, o que eles mais pedem para ensinarmos é como fazer amizades e como lidar com a frustração fora das telas, uma vez que no mundo virtual eles podem “fingir ser como quiserem” e é muito mais fácil desligar tudo quando as coisas não saem conforme esperado”. 

A iniciativa promove saúde emocional, desenvolvimento pessoal e de habilidades de vida como resiliência, raciocínio  crítico, autoconfiança, gestão emocional, comunicação, resolução de problemas, empatia, gerenciamento  de conflitos, criatividade, autoconhecimento e responsabilidade pessoal, além de oferecer suporte especializado no que tange à questão da saúde mental dos adolescentes. 

Calvo destaca que, por meio da "Empoderamento Adolescente", os jovens podem adquirir conhecimentos e ferramentas para serem emocionalmente saudáveis, enfrentarem os desafios da vida e se tornarem agentes ativos de transformação de si mesmos e da sociedade.  

“No Brasil, as recentes ondas de violência nas escolas evidenciam a necessidade de preparação para o enfrentamento de crises, e isso vai além do reforço da segurança física”, afirma Calvo. “Isso porque o pânico que tem se espalhado nas unidades de ensino trazem à tona a importância do adolescente desenvolver habilidades relacionadas ao manejo do estresse, gerenciamento de emoções, resiliência, comunicação, autocontrole e autoconfiança. Do contrário, certamente enfrentaremos índices ainda mais altos de fobia social, ansiedade e depressão, que acabam comprometendo a qualidade de vida desse jovem e da sua família”, diz ela.

Para ela, o avanço acelerado da tecnologia, os eventos como a pandemia de Covid-19 e os episódios de violência nas escolas alertam para a necessidade de redobrar a atenção com a saúde emocional dos jovens. A CEO da Empoderamento Adolescente destaca dados preocupantes sobre a deterioração da saúde mental logo na fase da adolescência:

Recentemente, metade dos adolescentes e jovens brasileiros sentiu necessidade de pedir ajuda sobre saúde mental, segundo dados da Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância); Em média, 50% dos entrevistados desconhecem serviços ou profissionais dedicados a apoiar adolescentes; 5,5MM sofrem com algum transtorno de saúde mental no Brasil, e no mundo todo somam 166MM com idade entre 10 e 19 anos; Um levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostrou que a depressão é a principal causa de incapacidade entre adolescentes em todo o mundo. Cerca de 80% dos brasileiros de 15 a 29 anos vivenciaram recentemente algum problema de saúde mental, segundo dados inéditos de pesquisa Datafolha publicados pela Folha de S.Paulo; Dentre os adolescentes e jovens entrevistados pelo Datafolha, mais da metade (51%) considera sua saúde mental como regular, ruim ou péssima; A maioria dos respondentes sofreu com pensamentos negativos (66%), dificuldade de concentração (58%), crise de ansiedade (53%), transtornos alimentares (20%), pensamentos suicidas (13%) ou automutilação (6%). 

Iniciativa visa empoderar os adolescentes

Calvo explica que empoderar não significa “dar poder aos jovens” para que sejam superiores a alguém. Empoderar é fornecer meios e recursos necessários para que eles desenvolvam responsabilidade pessoal, ou seja, reconheçam que são responsáveis pelo que fazem e pelas escolhas que tomam em suas vidas, sejam elas boas ou ruins. “Ter responsabilidade pessoal é assumir o comando de suas vidas e de suas escolhas em vez de se vitimizar, colocar a culpa em outras pessoas ou circunstâncias externas". 

“O objetivo é fazer com que o adolescente seja questionador, responsável e confiante, conquistando o seu espaço com respeito consigo mesmo e com os outros”, complementa.

Fundada em março de 2020, a Empoderamento Adolescente é a maior empresa do Brasil focada no desenvolvimento pessoal, educação socioemocional e saúde mental de adolescentes por meio de cursos, workshops, palestras, experiências, comunidades e atendimentos individuais com formatos disruptivos e nada tradicionais, online e presenciais.

Segundo Calvo, a empresa já atendeu a mais de 10 mil jovens de todos os Estados do Brasil e em 15 países com projetos de educação que se pulverizam para impactar não somente os jovens, mas também as três frentes que permeiam o seu ecossistema de formação para que todos consigam caminhar em direção ao mesmo objetivo: família, profissionais da educação e profissionais da saúde mental.

“Acreditamos que, ao capacitar os jovens, bem como pais e profissionais que trabalham com eles, podemos gerar um impacto positivo duradouro na sociedade e no mundo”, conclui. 

Para mais informações, basta acessar: https://empoderamentoadolescente.com.br/

Últimas