Cidades Fome obrigou sobreviventes a abandonar avião após queda em Roraima

Fome obrigou sobreviventes a abandonar avião após queda em Roraima

Cinco pessoas, entre elas, grávida e recém-nascido, foram resgatadas após cinco dias no mato

  • Cidades | Do R7, com Fala Brasil

O piloto do avião que caiu em Roraima contou que o principal problema enfrentado pelos sobreviventes após o acidente foi a fome. Ele e mais quatro pessoas foram resgatados por volta das 13h de sexta-feira (31), depois de passar cinco dias no meio do mato. Eles estavam a cerca de 3,5 km de onde a aeronave havia sido encontrada na quinta-feira (30). 

Assista ao vídeo:

Os cinco sobreviventes foram levados a Boa Vista para realização de exames médicos. O piloto e um técnico em enfermagem foram encaminhados para o Hospital Geral de Roraima. Uma mulher grávida e uma mãe com o filho recém-nascido estão na maternidade estadual.

O filho do técnico em enfermagem, Vitor Silva, está aliviado com o resgate do pai. 

— Eu fiquei preocupado com ele, pensando em como ele estava, como eles estava se alimentando, dormindo.  

Vítimas de acidente com avião em Roraima são encontradas vivas após cinco dias

Leia mais notícias de Cidades

Bilhete deixado por piloto dizia que sobreviventes abandonaram avião pois estavam debilitados e com fome

Bilhete deixado por piloto dizia que sobreviventes abandonaram avião pois estavam debilitados e com fome

Divulgação/FAB

O avião Cessna PP-FFR, que pertence ao governo de Roraima, estava desaparecido desde o último domingo (26). A aeronave seguia de Santa Maria do Boiaçú com destino à Boa Vista. Ela foi localizada na quinta-feira a 200 km de Boa Vista. Os ocupantes haviam abandonado o local do acidente, mas o piloto havia deixado um bilhete, o que auxiliou na busca aos sobreviventes. 

Sobreviventes de acidente aéreo foram resgatados e passam bem

Sobreviventes de acidente aéreo foram resgatados e passam bem

Reprodução/Rede Record

A mensagem dizia que os cinco ocupantes da aeronave haviam abandonado o avião para tentarem chegar em alguma aldeia. O bilhete dizia ainda que todos estavam debilitados e com fome, como conta o chefe da Casa Militar, Coronel Amaro Júnior. 

— Estes dias sem uma alimentação adequada os torna debilitados. Já conversei com as famílias. As famílas já tiveram a oportunidade de fazer o contato com eles, de forma que, graças a Deus, tivemos um final muito feliz, sem nenhuma perda. 

Últimas