Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Fugitivos da penitenciária de Mossoró são vistos em vilarejo no Rio Grande do Norte

Os dois detentos estão foragidos há 14 dias; ao serem vistos, eles voltaram para a mata antes da chegada da polícia

Cidades|Natália Martins, da RECORD

Fugitivos foram vistos nesta terça-feira (27)
Fugitivos foram vistos nesta terça-feira (27) Fugitivos foram vistos nesta terça-feira (27) (Divulgação/Secretaria da Segurança Pública e da Defesa Social do RN)

Os dois detentos que fugiram da Penitenciária Federal de Mossoró foram vistos nesta terça-feira (27) em um vilarejo no Rio Grande do Norte. Segundo informações obtidas pela RECORD, os moradores do local reconheceram os fugitivos, que voltaram para a mata antes da chegada da polícia. As buscas pelos dois foragidos completam 14 dias nesta terça. 

A Polícia Federal passou a oferecer uma recompensa em dinheiro, de R$ 30 mil, por informações que levem à captura dos foragidos. As denúncias podem ser feitas pelo número 181 ou por mensagem para o celular (84) 98132-6057. O anonimato é garantido.

Um homem suspeito de ajudar os fugitivos foi preso na segunda-feira (26). Ele foi identificado como Ronaildo da Silva Fernandes, dono de um sítio em Baraúna, na divisa do Rio Grande do Norte com o Ceará. Ele teria recebido R$ 5 mil para abrigar os fugitivos por oito dias. Deibson Nascimento e Rogério Mendonça fugiram da penitenciária de segurança máxima no dia 14 de fevereiro.

A força-tarefa montada para capturar os fugitivos encontrou no último domingo um possível esconderijo onde a dupla teria permanecido por dias. No local de mata, que fica próxima à prisão, foram encontrados um facão e várias embalagens de comida.

Publicidade

Esta não foi a primeira vez que os agentes encontram pistas dos foragidos. Dois dias após a fuga, os homens teriam feito uma família de refém, também na zona rural de Mossoró. Neste dia, a polícia também encontrou pegadas, calçados, roupas, lençóis e uma corda, além de uma camiseta do uniforme da penitenciária, em uma área de mata.

Na última sexta, o irmão de um dos fugitivos foi preso pela força-tarefa. O homem é condenado por roubo e participação em organização criminosa e estava com mandado de prisão em aberto. Os policiais chegaram até ele durante as investigações sobre a fuga da penitenciária, uma vez que há várias forças de segurança envolvidas nas buscas, com trocas de informações.

Publicidade

Na quinta-feira (22), três pessoas foram presas em flagrante por supostamente terem facilitado a fuga de detentos no presídio de segurança máxima em Mossoró. A informação foi confirmada pelo R7.

As prisões teriam ocorrido em flagrante na divisa entre o Rio Grande do Norte e o Ceará. Foram apreendidas armas, drogas, munições e um carro suspeito de ter sido usado para fornecer armas aos criminosos durante a fuga. Também foram cumpridos nove mandados de busca e apreensão nas cidades de Mossoró, Quixeré (CE) e Aquiraz (CE).

Publicidade

Crime organizado

Segundo as investigações, Rogério e Deibson são ligados ao Comando Vermelho. Os detentos tiveram acesso a ferramentas usadas na reforma pela qual a unidade passa. Para o ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, uma "série de fatores" levou à fuga, como falhas de construção da estrutura prisional e falta de funcionamento de câmeras e lâmpadas. A fuga é a primeira desde a implementação do SPF (Sistema Penitenciário Federal) no Brasil, em 2006.

Caso sejam capturados, os fugitivos deverão responder pelo crime de fuga, considerada uma falta disciplinar. Pelo ineditismo do ocorrido, sendo o primeiro em um presídio de segurança máxima no Brasil, ainda não é determinada a punição que os bandidos receberão quando forem capturados.

Em casos de presos de regime semi-aberto, por exemplo, o fugitivo retorna a um presídio de regime fechado. "Não há unidade acima da de segurança máxima. Ou eles vão voltar para esta própria unidade, ou, a critério do Ministério da Justiça, podem ser encaminhados a outra unidade de segurança máxima do país", explicou a advogada e professora de direito na Fundação Getúlio Vargas Maíra Fernandes.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.