Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Notícias R7 – Brasil, mundo, saúde, política, empregos e mais
Publicidade

Ginecologista é preso suspeito de abuso sexual de pacientes no Paraná

Ao menos 15 mulheres que foram atendidas por Felipe Sá Ferreira, de 40 anos, já procuraram a polícia; médico nega as acusações

Cidades|Do R7

Felipe Sá Ferreira é médico ginecologista e obstetra
Felipe Sá Ferreira é médico ginecologista e obstetra Felipe Sá Ferreira é médico ginecologista e obstetra

O CRM-PR (Conselho Regional de Medicina do Paraná) abriu uma sindicância para apurar denúncias de abusos sexuais que teriam sido praticados pelo ginecologista e obstetra Felipe Sá Ferreira.

O médico, de 40 anos, foi preso na semana passada em seu consultório, na cidade de Maringá. Pelo menos 15 mulheres que foram atendidas por ele já procuraram a polícia. A defesa de Felipe Sá nega as acusações.

• Compartilhe esta notícia no WhatsApp

• Compartilhe esta notícia no Telegram

Publicidade

"O CRM-PR informa que instaurou procedimento sindicante para apurar denúncia veiculada nos meios de comunicação de possível desvio ético cometido pelo médico Felipe Sá Ferreira (CRM-PR 28.546)", informou o órgão, em nota. De acordo com o conselho, Felipe Sá está regularmente inscrito no Paraná desde fevereiro de 2011.

As pacientes denunciaram aos investigadores que os abusos do ginecologista aconteciam durante as consultas. As investigações começaram no início do ano, e desde a prisão temporária do médico outras pacientes procuraram a polícia para denunciar suas condutas.

Publicidade

Os agentes investigam os crimes de violação sexual mediante fraude, importunação sexual e estupro de vulnerável. Em pelo menos um dos casos, o ginecologista teria tentado hipnotizar a paciente.

Leia também

O advogado Leonardo Batistella, que representa Felipe Sá, disse que ainda analisa as provas contra o médico, mas ressaltou que as acusações "não condizem com o histórico" dele.

"Trata-se ainda de uma investigação, portanto estamos analisando as provas, e, tão logo seja possível, entrarei com o pedido de soltura", disse Batistella, que é especialista em direito médico e também atua na esfera criminal. "Não tive acesso a todas as provas ainda, mas posso afirmar que as alegações não condizem com o histórico profissional do doutor Felipe."

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.