Cidades Mais de 7.000 filhotes de tartarugas são devolvidos ao rio Xingu (PA)

Mais de 7.000 filhotes de tartarugas são devolvidos ao rio Xingu (PA)

O projeto Tartarugas do Xingu funciona desde 2011 e já reintegrou pouco mais de 6 milhões de filhotes na natureza

  • Cidades | Do R7

Cerca de 7.500 tartarugas foram devolvidas

Cerca de 7.500 tartarugas foram devolvidas

Reprodução

O projeto Tartarugas do Xingu devolveu cerca de 7.500 filhotes de várias espécies de quelônios ao rio Xingu, no Pará, no último sábado (2) e domingo (3). 

O projeto fez parte do Programa de Conservação e Manejo de Quelônios, que, desde 2011, devolveu pouco mais de 6 milhões de filhotes à natureza. Em 2023, o monitoramento do nascimento das tartarugas está sendo acompanhado desde agosto por três biólogos e 15 auxiliares do projeto.

O projeto Tartarugas do Xingu foi organizado pela Norte Energia, concessionária da Usina Hidrelétrica Belo Monte, em parceria com o Ideflor-Bio (Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade).

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia no WhatsApp
Compartilhe esta notícia no Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

A desova das espécies ocorre em 20 praias do Tabuleiro entre o fim de agosto e novembro, no período de eclosão, quando as tartarugas nascem e vão para o rio, entre a madrugada e o amanhecer.

“Graças a esse trabalho em parceria com o Ideflor-Bio, todos os anos ajudamos que cerca de 500 mil quelônios nasçam e habitem o Xingu e seus afluentes, bem como o rio Amazonas, mantendo assim o objetivo de conservação das espécies”, explica Roberto Silva, gerente dos meios físico e biótico da Norte Energia.

Para ajudar no nascimento dos filhotes, um grupo de voluntários foi convocado para escavar a areia. O objetivo foi sensibilizar e conscientizar as pessoas sobre a importância da preservação dos quelônios.

Além da proteção quanto à ameaça dos predadores naturais, como aves, peixes e cobras, o projeto engloba ações educacionais com as comunidades da região para a conservação das espécies, para evitar, principalmente, a caça predatória e a coleta dos ovos.

“O maior desafio é garantir que elas sobrevivam. E para isso a gente faz uma série de atividades. A fiscalização é a principal, porque o nosso pior inimigo aqui é o ser humano, por conta da caça ilegal da espécie e do consumo que há muito nas cidades vizinhas”, diz Átilla Melo, técnico em gestão ambiental do Ideflor-Bio.

Conheça sete lugares para adotar cães e gatos em São Paulo

Últimas