Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Polícia Federal vai investigar assassinato de liderança quilombola na Bahia

Dois homens, usando capacetes, entraram na casa da vítima e efetuaram disparos com armas de fogo, segundo a polícia

Cidades|Da Agência Brasil

Maria Bernardete, morta na Bahia
Maria Bernardete, morta na Bahia Maria Bernardete, morta na Bahia

A Polícia Federal da Bahia abriu inquérito nesta sexta-feira (18) para investigar o homicídio da liderança quilombola Maria Bernadete Pacífico Moreira, morta a tiros na noite de quinta-feira (17) dentro de casa, no Quilombo Pitanga dos Palmares, no município Simões Filho (BA). 

A Superintendência da PF na Bahia informou que também é responsável pela investigação do assassinato do filho de Maria Bernadete, Flávio Gabriel Pacífico dos Santos, mais conhecido como Binho do Quilombo, assassinado há quase seis anos, no dia 19 de setembro de 2017. 

Em nota, a PF disse que “todos os esforços estão sendo empregados para a devida apuração da autoria dos homicídios, e as investigações seguem em sigilo”. 

O governo federal enviou nesta sexta-feira (18) uma equipe para acompanhar os desdobramentos do assassinato da liderança, com representantes dos ministérios dos Direitos Humanos e da Igualdade Racial. 

Publicidade

Caso

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) da Bahia disse que as informações preliminares revelam que dois homens, usando capacetes, entraram na casa da vítima e efetuaram disparos com armas de fogo. O órgão pede para que denúncias sobre o caso sejam enviadas, com todo sigilo, ao telefone 181 (Disque Denúncia da SSP).

Maria Bernadete era também coordenadora-executiva da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq). A Conaq vinha denunciado ameaças, perseguições e intimidações aos moradores do Quilombo Pitanga dos Palmares. Os membros coordenação dizem acreditar que a disputa por terra e água em torno do quilombo tem motivado a violência contra as lideranças locais. 

Publicidade

Levantamento da Rede de Observatórios de Segurança, realizado com apoio das secretarias de segurança pública estaduais e divulgado em junho deste ano, já apontava a Bahia como o segundo estado do Brasil com mais ocorrências de violência contra povos e comunidades tradicionais. Atrás apenas do Pará, a Bahia registrou 428 vítimas de violência no intervalo de 2017 a 2022.

Assim como o Titanic, navios que naufragaram são atração turística no Brasil

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.