Portal Correio Nicotina bloqueia um importante hormônio no cérebro das mulheres, afirmam cientistas

Nicotina bloqueia um importante hormônio no cérebro das mulheres, afirmam cientistas

Um estudo apresentado neste fim de semana na 35ª conferência anual do Colégio Europeu de Neuropsicofarmacologia aponta pela primeira vez uma possível razão pela qual as mulheres costumam ter mais dificuldade do que os homens para abandonar o tabagismo. A informação é do R7. O artigo mostra que uma dose regular — equivalente a um […]

Portal Correio
Portal Correio

Portal Correio

Portal Correio
Foto: USP Imagens

Um estudo apresentado neste fim de semana na 35ª conferência anual do Colégio Europeu de Neuropsicofarmacologia aponta pela primeira vez uma possível razão pela qual as mulheres costumam ter mais dificuldade do que os homens para abandonar o tabagismo. A informação é do R7.

Médico alerta população para não abandonar hábitos de higiene adquiridos na pandemia

O artigo mostra que uma dose regular — equivalente a um único cigarro — diminui os níveis de estrogênio (um importante hormônio) no cérebro das mulheres.

“Ainda não temos certeza de quais são os resultados comportamentais e cognitivos; só que a nicotina atua nessa área do cérebro, porém notamos que o sistema cerebral afetado é alvo de drogas viciantes, como a nicotina”, explica em comunicado a pesquisadora principal do estudo, a professora Erika Comasco, da Universidade Uppsala, na Suécia.

A área cerebral mencionada por ela é o tálamo, envolvido em respostas comportamentais e emocionais.

Sabe-se que as mulheres são mais resistentes à reposição de nicotina em tratamentos para deixar de fumar, além de terem apresentado mais recaídas do que os homens quando tentam abandonar o cigarro.

Pessoas do sexo feminino ainda “apresentam maior vulnerabilidade à hereditariedade do tabagismo e correm maior risco de desenvolver doenças primárias relacionadas ao tabagismo, como câncer de pulmão e ataques cardíacos”, complementa a pesquisadora.

“Precisamos agora entender se essa ação da nicotina no sistema hormonal está envolvida em alguma dessas reações”, ressalta Erika.

Wim van den Brink, professor emérito de psiquiatria e dependência do Centro Médico Acadêmico da Universidade de Amsterdã, comenta que “a dependência do tabaco é um distúrbio complexo com muitos fatores contribuintes”.

“É improvável que esse efeito específico da nicotina no tálamo (e na produção de estrogênio) explique todas as diferenças observadas no desenvolvimento, tratamento e resultados entre homens e mulheres fumantes. Ainda está muito longe de uma redução induzida pela nicotina na produção de estrogênio para um risco reduzido de dependência de nicotina e efeitos negativos do tratamento e recaída em mulheres fumantes, mas este trabalho merece uma investigação mais aprofundada”, conclui.

Últimas