Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Apesar da crise, comércio eletrônico deve crescer 19% ao ano no Brasil nos próximos 4 anos

Eletrônicos e utensílios domésticos representam 70% dos negócios online, indica estudo

Economia|Do R7

Estudo espera que Brasil consiga arrecadar R$ 1,566 bilhões com as vendas do comércio eletrônico em 2020
Estudo espera que Brasil consiga arrecadar R$ 1,566 bilhões com as vendas do comércio eletrônico em 2020 Estudo espera que Brasil consiga arrecadar R$ 1,566 bilhões com as vendas do comércio eletrônico em 2020

Apesar da crise econômica por que passa o Brasil, o comércio eletrônico deverá crescer 19% entre 2016 e 2020, de acordo com um estudo recente da consultoria Brain & Company.

A estimativa é que, em 2016, o e-commerce fature R$ 48 bilhões no Brasil e, em 2020, até menos que R$ 97 bilhões.

A indústria de e-commerce brasileira conseguiu arrecadar R$ 41 bilhões em 2015, registrando um crescimento acumulado de 22% desde 2010.

Torne-se empreendedor digital e explore o potencial desse mercado. Aproveite as ofertas do R7 Cursos

Publicidade

Atualmente, a maior empresa do País do setor é a B2W, seguida por Cnova, Mercado Livre, Walmart e Magazine Luiza.

O estudo aponta que o e-commerce é um setor com potencial de crescimento no Brasil, e que consegue se sobressair à crise econômica. 

Publicidade

Leia mais notícias de Economia

Isso se explica porque o índice de crescimento das vendas online independe da situação varejo no País, indica o estudo. O e-commerce tem a capacidade de crescer de maneira progressiva, potencializando sua participação no mercado como um todo. Mesmo que o comércio seja prejudicado, as vendas online costumam não sofrer interferências. 

Publicidade

O que vende mais?

Os eletrônicos e utensílios domésticos foram os preferidos dos clientes dos e-commerce no ano de 2015. As vendas representaram 70% dos negócios, sendo considerada como uma categoria mais consolidada dentro das vendas online.

Publicidade

Leia mais notícias sobre Economia

Outros exemplos de produtos que também estão presentes no comércio online são voltados para beleza e saúde, acessórios, supermercados, entre outros. Por mais que ainda sejam considerados com menos força e impacto na arrecadação final dos e-commerce, a estimativa é que consigam um aumento de participação de 30% a 50%.

Além disso, a penetração de compradores no mercado de hardware e software de computadores e eletrônicos foram as mais significativas, com percentuais de aumento de 48% e 23%, respectivamente. Já os setores de acessórios e vestuário (2%) e de casa e decoração (1%) ainda representaram valores de crescimento muito inferiores que os citados anteriormente.

E-commerce no exterior

O e-commerce também tem sua participação dentro da economia de outros locais ao redor do mundo, como Reino Unido, França, Estados Unidos e Alemanha. O primeiro deles é o que representa a maior penetração do e-commerce em sua economia. 

Os números mais recentes (2015) demonstram que o Reino Unido tem uma participação econômica do e-commerce quatro vezes maior do que a brasileira. No País, o e-commerce fatura R$ 16,7 bilhões, representando 3,4% de todas as vendas do varejo. Já nos territórios ingleses, o valor arrecadado é de R$ 72,1, representando 14% de todo o varejo.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.