Bolsa reduz queda após segunda paralisação; dólar sobe a R$ 4,79

Papéis do principal índice da bolsa de valores caíam 19,16%, a 68.852 pontos, no início da tarde e ameaçaram uma terceira interrupção dos negócios

Às 15h30, o Ibovespa recuava 14,17%

Às 15h30, o Ibovespa recuava 14,17%

Ricardo Moraes/Reuters - 8.6.2018

O Ibovespa, principal índice da bolsa de valores de São Paulo, reduziu a tendência de queda na tarde desta quinta-feira (12), após duas paralisações e queda de quase 20% e se aproximar do terceiro circuit breaker.

Às 15h30, o índice desabava 14,17%, aos 73.101.60 pontos. No início da tarde, os papéis caíam 19,16%, a 68.852 pontos, e se aproximavam de uma terceira interrupção dos negócios.

Desde a abertura do pregão, às 10h, foram dois circuit breakers. Entre as ações que puxaram a queda da Bolsa de São Paulo estão as das companhias aéreas. 

Além desta quinta-feira (12), a Bolsa de São Paulo acionou em apenas outras três oportunidades em sua história o circuit breaker duas vezes no mesmo dia. As paralisações por uma hora, após queda das ações em mais de 15%, ocorreram em 1997, 1998 e 2008.

Dólar

O dólar, que abriu o dia negociado acima dos R$ 5, reduziu a alta e salta 2,61%, cotado a R$ 4,844. Se fechar neste patamar, a moeda norte-americana renovará o maior valor nominal da história.

Leia também: Dólar para turistas já é vendido a R$ 5,41

A disparada aconteceu apesar do anúncio do Banco Central de um leilão de venda à vista de até US$ 2,5 bilhões para esta quinta-feira, cancelando o anúncio de venda de até US$ 1,5 bilhão feito no dia anterior.

Às 9h11, o dólar avançava 5,68%, a R$ 4,9890 na venda. O contrato mais negociado de dólar futuro tinha alta de 3,88%, a R$ 5,0105.