Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Confiança do consumidor avança ao maior nível desde janeiro de 2019

Terceira alta consecutiva do otimismo das famílias foi impulsionada pela melhora das expectativas futuras, mostra FGV

Economia|Do R7

Confiança do consumidor figura aos 94,8 pontos
Confiança do consumidor figura aos 94,8 pontos Confiança do consumidor figura aos 94,8 pontos

O Índice de Confiança do Consumidor subiu 2,5 pontos em julho, para 94,8 pontos. Trata-se do maior patamar desde janeiro de 2019 (95,3 pontos), de acordo com dados apresentados nesta terça-feira (25) pela FGV (Fundação Getulio Vargas).

Anna Carolina Gouveia, economista do Ibre (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), afirma que o terceiro mês seguido de alta do otimismo das famílias foi impulsionado, principalmente, pela melhora das expectativas futuras.

"A alta foi disseminada entre os diferentes quesitos da pesquisa, com destaque para os Indicadores de Situação Econômica Geral e Situação Financeira Futura da família", relata Anna Carolina. Para a pesquisadora, os resultados também refletem o arrefecimento da inflação, a recuperação da renda do trabalho e as expectativas quanto ao início de programas voltados para a quitação de dívidas. 

"Atualmente, o maior obstáculo para a recuperação mais robusta da confiança do consumidor

Publicidade

parece ser o cenário de endividamento e inadimplência, agravado pelos juros elevados,

refletidos, por exemplo, no Indicador de Situação Financeira das Famílias, que ainda se mantém

Publicidade

em nível bastante insatisfatório”, afirma Anna Carolina.

Compartilhe no WhatsApp

Publicidade

Compartilhe no Telegram

Entre os indicadores que medem as expectativas dos consumidores para os próximos meses, a maior influência para a alta do IE (Índice de Expectativas), que subiu 3,4 pontos, para 107,4 pontos, o maior desde janeiro de 2019 (108,5 pontos), foi dada pelo que mede o grau de otimismo com a evolução da situação econômica local, que registrou uma alta no mês de 5,5 pontos, alcançando 123,9 pontos, maior nível desde fevereiro de 2019 (126,2 pontos).

Já o indicador que mede as perspectivas sobre as finanças familiares nos meses seguintes subiu 3,7 pontos, para 105 pontos, devolvendo parte da queda do mês anterior. O otimismo foi menos expressivo no quesito que mede o ímpeto de compras de bens duráveis, que sobiu 0,7 ponto, para 92,3 pontos, após avançar mais de 10 pontos no mês anterior, mantendo-se acima dos 90 pontos, patamar do qual havia se distanciado desde 2014.

Nas avaliações sobre o momento atual, o indicador que mede a satisfação sobre a situação econômica local teve a sexta alta consecutiva, de 1,6 ponto, para 87,1 pontos, maior nível desde outubro de 2014 (89,5 pontos). O indicador que mede as avaliações sobre as finanças familiares no momento ficou relativamente estável ao variar 0,5 ponto, para 67 pontos, após alta de 5 pontos do mês anterior.

Faixas de renda

A análise por faixas de renda mostra ganho de confiança em todos os níveis exceto para as famílias com menor poder aquisitivo (até R$ 2.100), na qual houve piora das avaliações sobre a situação atual. As demais faixas se mostram otimistas nos dois horizontes de tempo e a confiança das famílias com maior poder aquisitivo (acima de R$ 9.600) atinge o maior nível desde janeiro de 2014 (99 pontos).

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.