Economia Confiança de serviços cai 1,5 ponto em dezembro ante novembro, revela FGV

Confiança de serviços cai 1,5 ponto em dezembro ante novembro, revela FGV

O índice medido pela Fundação Getúlio Vargas fecha o ano em 92,2 pontos

A Rua 25 de Março, em São Paulo, lotada para as compras de final de ano

A Rua 25 de Março, em São Paulo, lotada para as compras de final de ano

Edu Garcia/R7 - 21.12.2022

O Índice de Confiança de Serviços (ICS) caiu 1,5 ponto na passagem de novembro para dezembro, na série com ajuste sazonal, para 92,2 pontos, informou nesta quinta-feira (29), a FGV (Fundação Getulio Vargas). Foi o terceiro mês seguido de queda, registrando perda de 9,5 pontos no acumulado do quarto trimestre. Com isso, o ICS atingiu o menor nível desde fevereiro de 2021, quando ficou em 89,2 pontos. Em médias móveis trimestrais, o índice caiu 3,2 pontos.

Segundo a FGV, o ICS terminou o ano devolvendo os ganhos verificados no segundo e no terceiro trimestres.

"A piora no mês foi influenciada pela percepção de desaceleração no ritmo dos serviços e piora das perspectivas sobre os próximos meses. Além disso, a disseminação entre os segmentos confirma esse momento mais negativo e sugere uma desaceleração da atividade que tende a se prolongar no início do próximo ano", diz a nota divulgada pela FGV.

A queda na confiança de dezembro foi puxada tanto pela piora na percepção sobre o desempenho presente dos negócios quanto pelas perspectivas para os próximos meses.

O Índice de Situação Atual (ISA-CST) caiu 2,6 pontos, para 94,3 pontos, no menor nível desde março passado, quando ficou em 90,9 pontos.

"Este resultado foi influenciado tanto pela piora do indicador que mede o volume de demanda atual, que recuou 2,8 pontos, para 93,8 pontos, quanto do indicador da situação atual dos negócios que caiu 2,3 pontos, para 94,8 pontos", diz a nota da FGV.

Já o Índice de Expectativas (IE-S) caiu 0,6 ponto, para 90,1 pontos, menor nível desde abril de 2021, quando ficou em 88,7 pontos. "Os dois componentes do índice também caíram: o indicador que mede a demanda prevista nos próximos três meses variou -0,3 ponto, para 91,2 pontos, e o indicador de tendências dos negócios nos próximos seis meses recuou 0,8 ponto, para 89,2 pontos", diz a nota da FGV.

A Sondagem de Serviços de dezembro coletou informações de 1.506 empresas entre os dias 1º e 27 do mês.

Últimas