Economia Confiança do empresário em SP cai 1,4% em fevereiro, diz FecomercioSP

Confiança do empresário em SP cai 1,4% em fevereiro, diz FecomercioSP

O índice ficou em 112 pontos, depois de marcar a terceira retração consecutiva na maior cidade do país

O Carnaval de São Paulo já é o maior do país em números de bloquinhos de rua, e ajuda a movimentar o comércio na cidade

O Carnaval de São Paulo já é o maior do país em números de bloquinhos de rua, e ajuda a movimentar o comércio na cidade

Edu Garcia/R7 - 10.02.2022

A confiança dos comerciantes na cidade de São Paulo retraiu 1,4% em fevereiro, em comparação a janeiro, para 112,3 pontos, a terceira retração consecutiva. Em comparação ao mesmo mês de 2022, a contração foi maior, de 3,8%. As informações foram divulgadas pela FecomercioSP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo).

Entre as aberturas, a avaliação das condições atuais registrou queda de 1,3%. Em relação a janeiro de 2022, porém, o critério avançou 0,9%.

As expectativas futuras apresentaram queda menor, de 0,6%. Em comparação ao mesmo período do ano passado, o critério recuou 7,3%.

A intenção dos comerciantes em expandir os negócios caiu 3,2%, para 107,3 pontos, com recuo interanual de 4,7%. As expectativas para contratação de funcionários também apresentaram queda, de 2,3%, e o nível de investimento das empresas caiu 4,3% - frente ao mesmo mês de 2022, o primeiro critério apresentou queda de 9,1% e o segundo critério registrou avanço de 0,9%.

De acordo com a FecomercioSP, em nota, pelas incertezas na economia, "o setor empresarial precisa contar com um alto nível de planejamento financeiro". A federação avalia que o momento atual exige das empresas "reavaliar cenários, investir na atração de novos clientes, realizar liquidações e traçar planos de resiliência, de forma a evitar o excesso de endividamento."

Estoques

O Índice de Estoques caiu 2,4% em fevereiro, para 111,8 pontos - recuo de 7,0% na baseinteranual.

No mês, os comerciantes que indicavam adequação somaram 55,7%. O saldo é 1,4 ponto porcentual menor do que o registrado em dezembro, de 57,2%. Os comerciantes que indicavam inadequação somaram 43,9% nesta leitura.

Já o número de empresários que afirma ter estoques inadequados abaixo do desejado cresceu 0,3 ponto.

Últimas