Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Dólar cai mais de 1% após fala moderada de Lula e esperança de desidratação da PEC da Transição

Moeda fechou o dia cotada em R$ 5,31, valor de encerramento mais baixo desde a última segunda (14), quando chegou a R$ 5,30

Economia|Do R7

Dólar começou a semana em queda de 1,18% frente ao real, cotado a R$ 5,31
Dólar começou a semana em queda de 1,18% frente ao real, cotado a R$ 5,31 Dólar começou a semana em queda de 1,18% frente ao real, cotado a R$ 5,31

O dólar fechou a segunda-feira (21) em queda de 1,18% frente ao real, apesar de manter sua força no exterior. Investidores reagiram positivamente às falas conciliadoras de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sobre a postura fiscal do Brasil, com esperanças de que a PEC (proposta de emenda à Constituição) da Transição seja desidratada durante tramitação no Congresso.

A moeda norte-americana à vista encerrou o dia cotada a R$ 5,3115 na venda. Foi a maior desvalorização percentual diária desde o último dia 11 (-1,24%), e o patamar de encerramento mais baixo em exatamente uma semana (R$ 5,3026).

As perdas da divisa norte-americana na manhã desta segunda vieram na contramão do exterior, onde o índice do dólar avançava 0,85%. Ao mesmo tempo, vários pares arriscados do real operaram em forte queda, com peso mexicano, dólar australiano e rand sul-africano perdendo de 0,6% a 1%.

O Banco Inter citou, em nota, "cautela de investidores à medida que os casos de Covid-19 aumentam e novos lockdowns vão sendo impostos na China", bem como desconforto dos mercados com sinalizações mais duras contra a inflação de autoridades do banco central dos Estados Unidos.

Publicidade

No sábado (19), Lula afirmou que a responsabilidade fiscal é importante, afirmando que "não podemos gastar mais do que a gente ganha", e reforçou seu compromisso com o investimento na economia e no bem-estar social do país.

Um dia antes, na sexta-feira, o presidente eleito havia dito que ficou feliz com a carta aberta que recebeu de economistas, que o alertaram para o risco de subestimar reações adversas dos mercados financeiros a medidas que vão contra a responsabilidade fiscal. Ele garantiu ter compromisso com o controle das contas públicas.

Publicidade

As falas de Lula vieram em meio às negociações da PEC de Transição, cuja minuta apresentada pelo governo eleito prevê uma exceção ao teto de gastos no valor de quase R$ 200 bilhões por tempo indeterminado, o que desagradou profundamente aos mercados.

A PEC e o mercado

"Felizmente, o Congresso também reagiu negativamente à proposta e começa a negociar, pelo menos, em duas direções", avaliou a Genial Investimentos, em relatório enviado a seus clientes. "De um lado, uma redução do valor do aumento do ' pé direito' do teto... A segunda linha de negociação é retirar o programa Auxílio Brasil do teto apenas em 2023, e renegociar no final do próximo ano."

Publicidade

Maciel Vicente, consultor de câmbio da iHUB Investimentos, disse que as negociações do mercado de câmbio doméstico devem permanecer voláteis enquanto durarem as negociações da PEC da Transição e o processo de escolha das equipes ministeriais oficiais de Lula.

Leia também

Ainda assim, ele avaliou que, salvo um acontecimento "extraordinário" que assuste os mercados durante o processo de transição, o real deve eventualmente retomar a tendência de enfraquecimento que apresentou durante boa parte de 2022, em meio a fundamentos econômicos mais atraentes do que o de vários de seus pares emergentes.

Vicente espera que o dólar oscile numa faixa entre R$ 5,10 e R$ 5,30 ao longo dos próximos dois a três meses, mas recue a longo prazo, em cerca de 12 meses, para um intervalo entre R$ 4,90 e R$ 5,10.

Embora tenha disparado recentemente, em meio a temores fiscais, o dólar ainda cai cerca de 5% frente à divisa brasileira até agora no ano. No mesmo período, o índice que compara o dólar a uma cesta de seis pares fortes dispara quase 13%.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.