Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Dólar sobe e encosta em R$ 3,21 após vitória de Trump

Moeda norte-americana chegou a bater os R$ 3,25 na máxima do dia

Economia|Do R7

Alta quebrou a série de quatro baixas seguidas do dólar
Alta quebrou a série de quatro baixas seguidas do dólar Alta quebrou a série de quatro baixas seguidas do dólar

O dólar subiu cerca de 1,5% e encostou em R$ 3,21 nesta quarta-feira (9), longe da máxima da sessão, após a vitória de Donald Trump na disputa pela Casa Branca ter alimentado uma onda de aversão ao risco nos mercados globais.

O dólar avançou 1,33%, a R$ 3,2095 na venda, depois de bater R$ 3,25 na máxima do pregão, com alta de 2,61%, e R$ 3,1985 na mínima. O dólar futuro registrava ganho de cerca de 1,3% no final da tarde.

Nos quatro pregões anteriores, o dólar havia acumulado queda de 2,28% sobre o real com apostas de que Trump não sairia vitorioso da eleição.

"O mercado avaliou que é preciso um pouco mais de calma para entender o que vai acontecer. No final, o resultado das eleições acabou sendo menos doloroso [para o mercado] do que se esperava", comentou o diretor de câmbio da Intercam Corretora de Câmbio, Jaime Ferreira.

Publicidade

Leia mais sobre Economia e ajuste suas contas

O republicano surpreendeu o mundo derrotando a franca favorita Hillary Clinton na eleição presidencial dos Estados Unidos na terça-feira, encerrando oito anos de governo democrata e colocando o país em um caminho novo e incerto.

Publicidade

Rico, empresário do setor imobiliário e ex-apresentador de reality show, Trump capitalizou uma onda de revolta contra Washington para vencer Hillary, candidata democrata, cujo currículo inclui as funções de primeira-dama, senadora e secretária de Estado dos EUA.

Com a onda de aversão ao risco, que elevou a busca por ativos considerados mais seguros, como ouro e iene, o dólar subiu ante divisas emergentes, destaque ao peso mexicano, com valorização que chegou a cerca de 10%.

Publicidade

Trump fez um discurso considerado conciliador após sua vitória, diferentemente do estilo agressivo adotado em toda a sua campanha, o que reduziu um pouco o temor nos mercados financeiros.

"O discurso foi mais leve, menos polêmico", comentou o operador da corretora H.Commcor, Cleber Alessie Machado.

Mesmo assim, a apreensão não deve ser totalmente dissipada e os investidores devem permanecer atentos até entender o que de fato o presidente eleito vai colocar em prática das propostas radicais que anunciou em sua campanha.

Pesquisa Reuters feita nesta quarta-feira com especialistas mostrou que a surpresa com Trump na eleição presidencial pode ter desencadeado alguns temores nos mercados, mas o Federal Reserve, banco central norte-americano, continuava no curso para aumentar as taxas de juros no próximo mês.

Nesta manhã, o Banco Central não fez seu tradicional de leilão de swap cambial reverso, justamente para não adicionar ainda mais pressão compradora ao dólar. Profissionais avaliaram que o BC pode permanecer fora do mercado até que se a volatilidade provocada pela vitória de Trump continuar por mais tempo.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.