Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Nota de R$ 200, lançada em 2020, é pouco vista hoje em dia; entenda o que aconteceu

À época do lançamento, a novidade gerou expectativa entre os brasileiros

Economia|Johnny Negreiros, do R7*

Lobo-guará é o animal que estampa a nota de R$ 200
Lobo-guará é o animal que estampa a nota de R$ 200 Lobo-guará é o animal que estampa a nota de R$ 200

A nota de R$ 200 foi lançada no dia 2 de setembro de 2020 pelo Banco Central. Na data, pouco mais de 603 mil unidades da cédula entraram em circulação na economia brasileira, segundo dados da autarquia.

À época, a novidade gerou grande repercussão, principalmente com relação à escolha do lobo-guará para estampar a cédula. Porém, é comum ouvir nas ruas e nas redes sociais que poucas pessoas tiveram contato com a nova nota.

A reportagem foi à avenida Paulista, em São Paulo, para perguntar às pessoas se elas já tinham visto a cédula de R$ 200.

A maior parte dos entrevistados disse nunca ter visto essa nota. Mesmo quem afirmou o contrário pensa que a circulação dela está abaixo da expectativa criada na época de lançamento.

Continua após a publicidade

“Quando eu vi foi um ano atrás, e é muito difícil ver essa nota”, relatou Léia Soares. Ela é recepcionista no escritório da Maison Construções. Da mesma forma, Rafaela Jesus, estudante de fisioterapia, acredita que a circulação da nota “está decepcionando, até agora”.

Não vi mais ninguém com a nota de R%24 200 na mão. Quando lançada%2C foi muito uma novidade. Quando peguei%2C mostrei para a família inteira. Todo mundo queria usar

(Shairan Silva)

Shairan Silva, estudante de fisioterapia, brinca sobre o momento em que teve contato com a nova cédula
Shairan Silva, estudante de fisioterapia, brinca sobre o momento em que teve contato com a nova cédula Shairan Silva, estudante de fisioterapia, brinca sobre o momento em que teve contato com a nova cédula

Já Matheus Uno disse que teve contato com a cédula “umas três vezes”. Ele é analista de negócios.

Continua após a publicidade

“Acho que dinheiro hoje em dia não funciona tão bem quanto antes. A gente tem vários recursos para usar no celular, que é o caso do Pix. Principalmente quando é esse valor alto, você não se sente seguro para andar com dinheiro em espécie na rua não, hoje em dia."

Léia Soares explicou que carregava 20 notas, na ocasião em que viu a cédula de R$ 200: “Andar mesmo que seja duas ou três quadras para ir ao banco fazer um depósito com esse valor é meio complicado”.

Continua após a publicidade

Para o professor de economia no Mackenzie Josilmar Cordenonssi, a sensação de insegurança nas ruas do país “pode de certa forma” afetar a circulação da moeda.

“O risco de ser assaltado inibe as pessoas de carregar valores altos em cédulas em papel. Mas por outro lado também inibe andar com celulares que têm aplicativos bancários com acesso ao Pix ou cartão de crédito/débito, por causa do risco de sequestro-relâmpago”, defende ele.

Dessa forma, na visão de Cordenonssi, “não está claro” se a violência no Brasil afetou a circulação da cédula.

Banco Central

Questionado pelo R7 sobre o assunto, o Banco Central, que é o orgão responsável pela emissão do dinheiro brasileiro, respondeu:

“O ritmo de utilização da cédula de R$ 200 vem evoluindo em linha com o esperado e deverá seguir em emissão ao longo dos próximos exercícios. Qualquer nova denominação de cédula entra em circulação de forma gradual e de acordo com a necessidade”.

Para Cordenonssi, é “difícil dizer” se ele concorda ou não com a afirmação da autarquia, porque “não está claro o que o BC esperava quando a nota foi lançada”.

“Consultando a base de dados do BC, é possível verificar que a quantidade de cédulas de R$ 200 cresceu mais de 30% no último ano, enquanto o total de cédulas cresceu um pouco mais de 2%. Mesmo assim, as cédulas de R$ 200 representam apenas 1,6% do total de cédulas em circulação”, disse.

Leia também

“A título de comparação, a cédula de maior valor (ainda sendo emitida) nos EUA é a de US$ 100, que em 2001 representava 19% do total de cédulas e já em 2021 passou a representar 33,27% do total. A quantidade de cédulas cresceu nesse intervalo a uma taxa média de 7,46%”, completou o economista.

Um ano depois do lançamento, havia cerca de 80 milhões de papéis em circulação. No dia 2 de setembro do ano passado, aproximadamente 108 milhões.

Até esta terça-feira (7), quase 124 milhões de notas de R$ 200 se faziam presentes. Para efeito de comparação, a moeda mais popular era a de R$ 50, com mais de 1,9 bilhão de papéis em circulação.

Motivos da criação

Quando lançou a cédula, o Banco Central alegou que a pandemia de Covid-19 era o momento oportuno para a implementação da novidade.

“Com a pandemia, a procura da população pelo dinheiro em espécie aumentou, e essa ocorrência se repetiu em vários países. A quantidade de dinheiro em circulação subiu de cerca de R$ 260 bilhões para R$ 351 bilhões entre março e 31 de agosto”, divulgou o órgão, em nota.

Ainda, o presidente da autarquia, Roberto Campos Neto, declarou:

“Vivemos um momento singular, que trouxe um aumento expressivo da demanda da sociedade por dinheiro em espécie. Não é exclusividade do nosso país. Em momentos de incerteza, é natural que as pessoas busquem reservas em dinheiro como garantia”.

* Estagiário do R7, sob supervisão de Ana Vinhas

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.