Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Novo salário mínimo injeta R$ 10 bi na economia, mas aumenta despesas do governo

Reajuste de R$ 18 na remuneração básica passa a valer a partir desta segunda (1º) e custará cerca de R$ 7 bilhões aos cofres públicos

Economia|Johnny Negreiros, do R7*

Novo salário mínimo é R$ 18 maior do que o atual
Novo salário mínimo é R$ 18 maior do que o atual Novo salário mínimo é R$ 18 maior do que o atual

O novo salário mínimo começa a valer nesta segunda-feira (1°), Dia do Trabalho. Agora, o valor passa dos R$ 1.302 para R$ 1.320 mensais, um reajuste de 1,38%, que representa um aumento de R$ 18.

No último domingo (30), o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, confirmou o novo valor da remuneração básica e ampliou a faixa de isenção do Imposto de Renda.

Segundo especialistas ouvidos pelo R7, a medida vai injetar aproximadamente R$ 10 bilhões na economia do país. Por outro lado, o governo gastará mais R$ 7 bilhões por ano.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Publicidade

Compartilhe esta notícia no Telegram

A projeção da adição de R$ 10 bilhões ao mercado é do economista da ACSP (Associação Comercial de São Paulo) Ulisses Ruiz de Gamboa, que prevê um estímulo ao consumo e à produção de riquezas, além da geração de empregos.

Publicidade

Para o especialista, o reajuste é “bem-vindo” por causa “da situação em que as famílias estão vivendo, pela corrosão do poder de compra [que sofreram]”.

A demanda, porém, “não vai aumentar na mesma proporção”, porque “as famílias estão endividadas”, explica o economista. Segundo a CNC (Confederação Nacional do Comércio, Bens, Serviços e Turismo), oito em cada dez (78,3%) famílias diziam estar com contas atrasadas em março.

Publicidade

Mesmo com o aumento na remuneração, um endividado pode optar por quitar dívidas ao invés de consumir, mesmo que haja estímulos do governo em direção às compras — fenômeno observado no primeiro mandato de Dilma Rousseff.

Leia também

Em sentido semelhante, o Instituto Locomotiva estima que o novo salário mínimo vá injetar R$ 9,5 bilhões na economia nacional.

“O cálculo considera beneficiários do INSS, empregados, autônomos e empregadores que recebem rendimento equivalente ao salário mínimo. Em 2023, esses grupos representam aproximadamente 60,3 milhões de pessoas”, justifica a entidade.

Prejuízos

Já para a economista do C6 Bank Claudia Moreno, o reajuste “não tratá muito impacto [positivo]” aos negócios no Brasil. Ela prevê, ainda, que a medida vai aumentar as despesas do governo em R$ 7 bilhões por ano.

Isso pode acontecer porque o salário mínimo é usado como piso para muitos cargos públicos e pagamentos de benefícios sociais. O valor do mínimo é usado como piso, entre outros repasses do governo, para as aposentadorias do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), do BPC (Benefício de Prestação Continuada) e seguro-desemprego.

“Na nossa visão, a taxa de desemprego da economia está relacionada ao crescimento da atividade, em particular do setor de serviços, que é mais intensivo em mão de obra. Não acreditamos que o aumento do salário mínimo tenha impacto relevante sobre o desemprego”, declara a economista do C6 Bank.

VEJA AQUI TODOS OS REAJUSTES NOS PROGRAMAS SOCIAIS

Na visão de Ulisses Ruiz de Gamboa, da Associação Comercial paulista, outro ponto negativo do salário mínimo maior é um possível aumento da inflação ou “que ela teime em baixar”.

Além disso, ele diz acreditar que o reajuste pode resultar em mais trabalhadores em situação de informalidade: “À medida que o trabalhador sai mais caro, o empregador pode diminuir a folha de salários”.

A ligação direta entre aumento de salário mínimo e crescimento de desemprego ou informalidade não é consenso entre os estudiosos de economia. Para uma ala dos economistas, quanto maior o piso legal, maior o desemprego e o número de pessoas no trabalho não regular. Porém, há outro grupo que não vê dessa forma.

Anúncio do presidente

O anúncio do reajuste do salário mínimo foi feito pelo presidente Lula em fevereiro — ontem, em cadeia nacional de rádio e televisão, ele ratificou o novo valor. Durante a campanha eleitoral, o petista prometeu aumento da remuneração básica acima da inflação.

Desde o dia 1º de janeiro, com medida anterior ao mandato do chefe do Executivo, o piso oficial passou de R$ 1.212 para R$ 1.302.

Como o reajuste ficou em 7,42% e a inflação medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) acumulado no ano passado foi de 5,93%, o ganho real já havia atingido 1,41%. Agora, com o aumento de R$ 18, será acrescida a elevação de 1,38% a partir deste 1º de Maio.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Ana Vinhas

Passagem aérea e TV por assinatura viram vilões da prévia da inflação

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.