Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Economia da zona do euro encolhe no terceiro trimestre

Resultados positivos na França, na Espanha e na Bélgica foram insuficientes para reverter tombo de 0,1% no PIB dos 20 países que integram o bloco, mostra Eurostat

Economia|Do R7

Queda do PIB reforça risco de recessão técnica na Europa
Queda do PIB reforça risco de recessão técnica na Europa Queda do PIB reforça risco de recessão técnica na Europa

A economia da zona do euro encolheu no terceiro trimestre, na comparação com os três meses anteriores, segundo uma nova estimativa nesta terça-feira (14). O dado reforça as expectativas de uma recessão técnica se o quarto trimestre for igualmente fraco, embora o emprego tenha aumentado.

O escritório de estatísticas da União Europeia, Eurostat, confirmou sua estimativa de 31 de outubro de que o PIB (Produto Interno Bruto) — soma de todos os bens e serviços finais produzidos — nos 20 países que compartilham o euro caiu 0,1% no período de julho a setembro em relação ao trimestre anterior, com um crescimento de 0,1% na base anual.

O vice-presidente do Banco Central Europeu, Luis de Guindos, disse na semana passada que a economia da zona do euro provavelmente sofrerá uma pequena contração ou, na melhor das hipóteses, ficará estagnada no quarto trimestre, depois que dados da atividade empresarial de outubro mostraram um enfraquecimento ainda maior da demanda no setor de serviços.

Mas, ao contrário da tendência usual quando a economia enfraquece, o emprego na zona do euro aumentou 0,3% em relação ao trimestre anterior no mesmo período, para um aumento de 1,4% em relação ao ano anterior.

Publicidade

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp

Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp

Publicidade

Compartilhe esta notícia pelo Telegram

Assine a newsletter R7 em Ponto

Publicidade

Os dados da Eurostat mostraram um crescimento econômico trimestral de 0,1% na França, 0,3% na Espanha e 0,5% na Bélgica, mas isso não conseguiu compensar uma queda trimestral de 0,1% na Alemanha, estagnação na Itália e contrações na Áustria, Portugal, Irlanda, Estônia e Lituânia. O resultado é causado por fortes problemas decorrentes da inflação elevada e das taxas de juros em níveis recordes, bem como da política fiscal mais restritiva.

Como a inflação caiu acentuadamente em outubro, o BCE deixou as taxas de juros inalteradas em sua reunião de 26 de outubro, encerrando uma sequência sem precedentes de dez aumentos consecutivos dos juros. De Guindos disse que, dada a atual incerteza elevada, a instituição continuaria a seguir uma abordagem dependente de dados com relação à sua política monetária futura.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.