IR 2015: cobertura completa
Economia Receita Federal anuncia nova versão de aplicativo do Carnê-Leão

Receita Federal anuncia nova versão de aplicativo do Carnê-Leão

Programa vai ajudar profissionais liberais a identificar clientes pelo CPF

Receita Federal anuncia nova versão de aplicativo do Carnê-Leão

Os dados apurados pelo Carnê-Leão podem ser armazenados e transferidos para a declaração de Imposto de Renda de 2016

Os dados apurados pelo Carnê-Leão podem ser armazenados e transferidos para a declaração de Imposto de Renda de 2016

Reprodução/Facebook

A Receita Federal anunciou, nesta quarta-feira (6), a aprovação da nova versão do aplicativo para smartphones e tablets do Carnê-Leão, que vai auxiliar profissionais liberais a identificar, por meio do CPF (Cadastro de Pessoas Físicas), cada usuário de seus serviços para o Fisco.

De acordo com a Instrução Normativa — publicada no Diário Oficial da União desta quarta —, fica aprovado, para o ano-calendário de 2015, o aplicativo às pessoas físicas “sujeitas ao recolhimento mensal obrigatório do Imposto sobre a Renda, para elaboração e transferência das informações”.

Médicos, dentistas e advogados terão que informar CPF dos clientes no IR

A instrução indica ainda que o programa poderá ser utilizado pela pessoa física residente no Brasil, que tenha recebido rendimentos de outra pessoa física ou de fonte situada no exterior.

Os dados apurados pelo programa podem ser armazenados e transferidos para a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física do exercício 2016, ano-calendário 2015, quando da sua elaboração.

O programa é de uso opcional e ficará disponível na loja de aplicativo Google Play para tablets e smartphones que utilizem o sistema operacional Android e AppStore para equipamentos que utilizem o sistema operacional iOS da Apple.

A utilização do aplicativo vale apenas para fatos geradores ocorridos no período de 1º de janeiro de 2015 a 31 de dezembro de 2015. No preenchimento, os contribuintes deverão identificar os titulares do pagamento de cada um dos serviços pelo número de inscrição no CPF.

Em dezembro, a Receita Federal publicou a Instrução Normativa nº 1.531, que obriga as pessoas físicas nas ocupações de médico, odontólogo, fonoaudiólogo, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, advogado, psicólogo e psicanalista a identificar o CPF dos titulares do pagamento de cada um dos serviços. Essa informação será obrigatória no preenchimento da declaração de rendimentos das pessoas físicas em 2016.

De acordo com a Receita, a decisão visa a “evitar a retenção em malha [fina] de milhares de declarantes que preenchem a declaração de forma correta e pelo fato de terem efetuado pagamentos de valores significativos a pessoas físicas podem precisar apresentar documentos comprobatórios à Receita Federal. A medida equipara os profissionais liberais às pessoas jurídicas da área de saúde que hoje estão obrigadas a apresentar a Demed [Declaração de Serviços Médicos e de Saúde]”.

    Access log