Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Eleições 2016
Publicidade

Freixo agrediu fotógrafo no enterro do irmão em 2006

Parte do equipamento foi quebrada pelo candidato, segundo relato da vítima no Facebook

Rio de Janeiro|Do R7

Marcelo Freixo chegou a dar um chute nas costas do fotógrafo Bruno Lima durante o velório
Marcelo Freixo chegou a dar um chute nas costas do fotógrafo Bruno Lima durante o velório Marcelo Freixo chegou a dar um chute nas costas do fotógrafo Bruno Lima durante o velório

O candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro pelo PSOL, Marcelo Freixo, agrediu um fotógrafo, em 2006, durante o enterro de seu irmão, Renato Freixo. O caso foi relembrado pelo blog Jornal Livre, no domingo (23), e levou a vítima, Bruno Lima, a fazer um post em seu Facebook relatando que “foi covardemente agredido” quando fazia imagens à distância do funeral.

Segundo Bruno, ele trabalhava para o jornal A Tribuna, de Niterói, quando foi pautado para fazer as fotos do enterro e agiu de forma a respeitar o momento de dor da família. “Mas diferente de tudo que tinha visto até então, quando apontei a câmera para a frente, vi alguém largando o caixão e correndo até mim. Não deu tempo de processar o que estava acontecendo. Só deu tempo de me abaixar, tentando proteger o meu equipamento e receber socos e chutes de alguém, que vim a descobrir que era o próprio Marcelo Freixo. Por mais que houvesse a dor da perda, nunca imaginaria que pagaria o pato pela perda do irmão. Pareceu que ele estava querendo descontar tudo em mim. Fui agredido covardemente. Mesmo tentando proteger o meu equipamento, meu ganha pão, ele conseguiu quebrar o flash”.

Renato foi assassinado em julho de 2016, quando era assessor da secretaria de Ciência e Tecnologia de Niterói. Ele levou cinco tiros em frente ao portão de sua casa.

Bruno segue seu relato dizendo que nem em enterros de traficantes viveu situação semelhante: “Após todo o ocorrido, tentei entender o que tinha acontecido mas não encontrei respostas. Como pode Marcelo Freixo, o paladino da justiça, o pacifista, me arrebentar na porrada? Já fotografei dezenas de enterros, de traficantes a policiais, e nunca vi um deles vir correndo para me bater. Mas esse é o Marcelo Freixo que a grande maioria desconhece”, afirma.

Em entrevista ao Jornal O Estado de S.Paulo, o candidato admitiu a agressão e se explicou dizendo que o fotógrafo desrespeitou o pedido da mãe dele de não fotografar. Após a publicação da entrevista, Bruno disse que Freixo “mentiu” ao dizer que houve desrespeito.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.