Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Eleições 2022
Publicidade

Cargo de senador teve o maior índice de votos brancos e nulos no DF

12,11% dos eleitores não escolheram nenhum candidato para o Senado; menor número de inválidos foi para decidir presidente

Eleições 2022|Jéssica Moura, do R7, em Brasília

Urna eletrônica
Urna eletrônica Urna eletrônica

A escolha para a cadeira de senador da República foi a que teve mais votos brancos e nulos entre os candidatos do Distrito Federal. Ao todo, 12,11% dos eleitores do DF anularam o voto durante a seleção para a vaga ao Senado. O segundo cargo com mais votos inválidos foi o de deputado federal (9,49%), seguido de governador (8,41%) e deputado distrital (7,53%). Já para presidente da República, o índice de brancos ou nulos foi o menor (3,15%).

No primeiro turno das eleições deste ano, 57.325 votos foram considerados inválidos no DF, segundo balanço da Justiça eleitoral, o correspondente a 3,15% do 1,8 milhão de eleitores que estavam aptos a irem às urnas na capital federal.

VEJA A COBERTURA COMPLETA DAS ELEIÇÕES 2022 NA PÁGINA ESPECIAL DO R7

"A gente transformou a eleição em uma final de Copa do Mundo. É um jogo em que todo mundo está querendo participar", afirma o diretor da Associação Brasileira de Consultores Políticos (Abcop), Alexandre Bandeira.

Publicidade

Ele ressalta que a intensa polarização entre os candidatos à Presidência contribuiu para levar a população às urnas. "As pessoas estão convocadas a votar por uma motivação de escolha, a sensação de que o voto vale, de serem responsabilizadas se o outro lado ganhar."

No segundo turno, os moradores do DF votarão apenas para a Presidência da República: Jair Bolsonaro (PL) ou Luiz Inácio Lula da Silva (PT). No primeiro turno, Bolsonaro obteve a preferência de 51,65% dos eleitores do DF; já Lula teve 36,85% dos votos.

Publicidade

A proporção reduzida de brancos e nulos confirma a tendência de queda dos últimos anos. Na eleição passada, 5,38% dos eleitores invalidaram os votos. No pleito de 2014, foram 5,98%. Apesar da queda, para o segundo turno, a expectativa é que o índice aumente, tendo em vista o padrão das eleições anteriores.

"O voto nem-nem deve ser um pouco menor [do que nas eleições passadas], mas vai continuar existindo como um voto de protesto. 'Ora, se meu candidato já não está na urna, vou, mas vou anular o voto.' Essa é a tendência", destaca Bandeira.

Publicidade

"É um fenômeno natural por conta da pessoa que não se sente contemplada pelas duas propostas", acrescenta. No governo local, Ibaneis Rocha (MDB) foi eleito em primeiro turno, e disse a aliados que a prioridade agora é a reeleição de Bolsonaro.

Para a eleição de presidente, o concorrente precisa acumular a maioria dos votos válidos. Os votos brancos e nulos são excluídos da contagem de votos válidos e reduzem a quantidade necessária de votos para alcançar a eleição. 

Leia também

Mesmo que metade dos eleitores anule os votos e opte por não escolher nenhum candidato, a eleição está mantida, e os votos são apenas descartados da contagem. Outro mito relacionado aos votos brancos e nulos é que essa escolha seria destinada ao cômputo dos partidos políticos, o que não acontece.

A diferença entre eles é apenas a maneira de anular a votação: no caso do voto branco, basta apertar a tecla na urna com essa indicação. O nulo ocorre quando o eleitor digita um número que não corresponde a nenhum candidato listado.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.