Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Notícias R7 – Brasil, mundo, saúde, política, empregos e mais
Publicidade

No México, macacos morrem com onda de calor, aves recebem ar-condicionado e leões ganham picolés

CIDADE DO MÉXICO — Em meio à onda de calor e seca no México, aves em sofrimento estão recebendo ar-condicionado e macacos com insolação...

Estadão Conteúdo|Do R7

CIDADE DO MÉXICO — Em meio à onda de calor e seca no México, aves em sofrimento estão recebendo ar-condicionado e macacos com insolação estão sendo resgatados por organizações não governamentais.

O governo, por sua vez, tem se preocupado mais em resfriar os animais nos zoológicos estatais, dando aos leões picolés de carne congelada. Não é o único tratamento gelado: um grupo de resgate está alimentando corujas em apuros com carcaças de ratos enviadas congeladas da Cidade do México.

Uma onda de calor, com uma área de alta pressão sobre o sul do Golfo do México e o norte da América Central, bloqueou a formação de nuvens e causou um extenso período de sol e altas temperaturas em todo o México, assim como nos Estados Unidos.

Leia também

Até 31 de maio, o Departamento de Meio Ambiente reconheceu que um total de 204 macacos bugios haviam morrido, 157 deles em Tabasco. Pozo disse que o número apenas em Tabasco aumentou para 198, sugerindo que o total nacional agora está próximo de 250.

“O único plano ou programa de resgate é o que nossa organização está fazendo”, disse Pozo. Em meio a cortes orçamentários para muitas agências ambientais, o governo agora tem de depender de ONGs.

Em um comunicado, o Departamento de Meio Ambiente disse que as “autoridades ambientais federais atenderam aos relatos desses eventos, em uma abordagem coordenada com grupos cívicos e acadêmicos”. O governo forneceu alimentos, alojamento e água para equipes das ONGs e animais doentes.

Segundo o departamento, os testes indicam que os primatas estão morrendo de insolação, mas acrescenta que a seca causou uma “falta de água nos riachos e nascentes nas áreas onde os macacos vivem” e isso também parece ter influenciado.

Algumas ONGs estão lutando para pagar pelo cuidado e estão pedindo doações, como a Selva Teenek, um parque de vida selvagem sem fins lucrativos na região de La Huasteca, mais ao norte.

Em 9 de maio, as temperaturas naquela área subiram para cerca de 50ºC, e os socorristas e funcionários trouxeram 15 aves de várias espécies encontradas deitadas no chão.

“Isso nunca havia acontecido antes”, disse Laura Rodríguez, veterinária do parque. “100% dos animais precisavam de reidratação. Alguns estavam tão desidratados que não pudemos dar-lhes água por via oral.”

Ena Mildred Buenfil, líder do grupo de resgate de animais Selva Teneek, disse que as aves — assim como os macacos bugios — estão simplesmente caindo mortas.

“As aves começaram a ter problemas, e algumas literalmente começaram a cair mortas em pleno voo”, disse Buenfil. “Alguns dos mais afetados foram os recém-nascidos. As pessoas nos enviaram fotos de dezenas de papagaios mortos no chão.”

As aves estavam sofrendo de estresse por calor, desidratação e desnutrição, simultaneamente. Os resgatistas tiveram de tirá-las do calor, dar-lhes água e alimentá-las.

Isso incluiu um envio de ratos mortos congelados da Cidade do México. “Os adultos (corujas) precisam de ratos. Felizmente, temos ratos”, disse Buenfil, mas observou que a equipe tem de descongelá-los um pouco para esfolá-los e remover suas entranhas antes de poderem ser dados às aves.

Desde então, dezenas de outras aves — e alguns morcegos, linces e coiotes — foram encontradas vivas, mas sofrendo, e também foram levadas ao parque Teneek.

A situação ficou tão lotada nas três salas com ar-condicionado no parque que a equipe teve que colocar lençóis ou cortinas para separar as aves de rapina das outras aves que são suas presas.

Várias aves morreram, mas algumas espécies — como os kinkajous que vagam pelo parque — só precisam do ar-condicionado durante o dia e são soltas à noite. Outros, como os tamanduás, conseguem se virar com a brisa de um ventilador.

Os leões no zoológico de Chapultepec na Cidade do México receberam uma guloseima congelada de sangue e ossos de animais misturados com água. Alberto Olascoaga, chefe do zoológico da capital, disse que os animais gostam disso — e isso ajuda a hidratá-los.

“Eles brincam com o picolé. Eles lambem, quebram, mordem, e estão se refrescando e bebendo essa água fria enquanto ela derrete”, disse Olascoaga.

Claudia Sheinbaum, a cientista ambiental que venceu a eleição presidencial de 2 de junho para suceder Andrés Manuel López Obrador, ofereceu alguma esperança de que as relações tensas sobre como lidar com a difícil situação da vida selvagem possam mudar quando ela assumir o cargo em 1º de outubro.

“Passei toda a minha vida estudando o meio ambiente, é parte da minha causa”, escreveu ela em uma rede social na quarta-feira.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.