Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Advogado diz que julgamento de Trump não foi justo e que defesa vai recorrer

Ex-promotor afirma que, apesar da condenação, o ex-presidente dos Estados Unidos não deverá ser preso

Internacional|Do Estadão Conteúdo

Trump e seu advogado, Todd Blanche, nesta quinta (3), em Nova York (Reprodução/Record News - 30.05.2024)

A defesa de Donald Trump, ex-presidente dos Estados, já está pronta para recorrer da decisão do júri do Tribunal de Nova York, que, nesta quinta-feira (30), considerou o republicano culpado nas 34 acusações no caso em que ele é réu. Ele foi acusado de ocultar pagamentos secretos à atriz pornô Stormy Daniels, com o intuito de influir no resultado das eleições de 2016.

O advogado de Trump, Todd Blanche, afirmou que o ex-presidente não teve um julgamento justo em entrevista a emissora americana Fox News. Ele argumenta que o juiz Juan Merchan não deveria ter presidido o caso, sugerindo que ele tinha mostrado sinais de parcialidade.

Blanche apontou que havia entrado com duas moções separadas pedindo ao juiz Merchan que se retirasse do julgamento. Chamando a situação de “não justa”, ele exaltou Trump como “um marido, um pai, um avô e um amigo para muitas pessoas”. “Quando você vê isso acontecer com ele, e eu estava bem ao lado dele hoje, é de partir o coração.”

Após a decisão do júri, Trump também atacou o juiz do caso, questionando sua idoneidade. “Esse julgamento é uma desgraça, o juiz era parcial e nunca deveria ter presidido este caso”, disse sem oferecer provas. “O julgamento foi uma desgraça e estava manipulado. Sou um prisioneiro político. Os advogados do ex-presidente têm 30 dias para registrar o recurso de apelação e até seis meses para registrar a apelação completa.

Publicidade

Apenas o veredito foi divulgado na quinta. A pena será anunciada em 11 de julho pelo juiz do caso, Juan Merchan, e Trump ficará em liberdade até lá. A pena pode variar de 1 ano e quatro meses a 4 anos de prisão.

TRUMP NÃO SERÁ PRESO, DIZ EX-PROMOTOR DE NY

Publicidade

O ex-promotor distrital de Manhattan, Cy Vance, deu os parabéns na quinta-feira ao seu sucessor, Alvin Bragg, por “conduzir um julgamento quase perfeito em uma situação muito difícil”. “Acho que é um caso importante que realmente ajuda a definir o que o Estado de direito deveria significar”, disse ele à Associated Press.

O gabinete do promotor investigou Trump enquanto Vance ocupava o cargo principal, mas não apresentou nenhuma acusação antes de o democrata se aposentar no final de 2021 e Bragg assumir o cargo.

Publicidade

Vance disse não achar provável que Trump seja condenado à prisão no caso de Manhattan, porque “os crimes não exigem isso”.

Além disso, o ex-promotor afirmou que, se Trump fosse preso por conta deste caso, seria mais “problemático” do que vale a pena, dado que o ex-presidente deve ser o candidato republicano à Casa Branca.

”Acho que a ideia de tê-lo sob custódia é realmente difícil de imaginar, dado o seu papel no teatro político do país durante os próximos seis meses”, disse Vance.

OUTROS CASOS

O caso do dinheiro secreto, embora criticado por alguns especialistas jurídicos que o consideraram o mais fraco dos quatro processos contra Trump, assumiu uma maior importância não só porque foi primeiro a ir a julgamento, mas também porque pode ser o único dos casos de Trump a chegar a um júri antes da eleição.

Os outros três — casos locais e federais em Atlanta e Washington de que ele conspirou para prejudicar as eleições presidenciais de 2020, bem como uma acusação federal na Flórida relacionada ao acúmulo ilegal de registros da Casa Branca — estão envolvidos em disputas judiciais e apelações.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.