Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

'Como se fosse o juízo final': sírios contam sobre desespero após terremoto

Assolado pela guerra, país precisa encontrar forças para resgatar as vítimas do abalo sísmico que teve epicentro na Turquia

Internacional|Do R7

Sírios tentam resgatar pessoas presas nos escombros de prédio após terremoto
Sírios tentam resgatar pessoas presas nos escombros de prédio após terremoto Sírios tentam resgatar pessoas presas nos escombros de prédio após terremoto

Em um hospital no noroeste da Síria, Usama Abdelhamid não consegue conter as lágrimas: o prédio onde mora com a família desabou no meio da noite.

Este morador da cidade de Azmarin, na fronteira com a Turquia, sobreviveu milagrosamente ao violento terremoto de magnitude 7,8 que abalou a área entre o sudeste da Turquia e o norte da Síria na manhã desta segunda-feira (6), causando pelo menos 2.600 mortes no total.

"Estávamos dormindo quando sentimos um forte tremor de terra", contou à AFP.

"Corremos para a porta de nosso apartamento, no 3º andar. Quando a abrimos, todo o prédio desabou", disse, após ser atendido no hospital Al Rahma, na cidade de Darkush, na província de Idlib.

Publicidade

Abdelhamid e a família ficaram debaixo dos escombros de um prédio de quatro andares, mas o filho conseguiu sair e gritar por ajuda. Logo eles foram socorridos por pessoas que estavam no entorno, contou o morador, emocionado. Nenhum dos vizinhos resistiu ao desabamento.

O hospital onde foi atendido está superlotado. Ambulâncias chegam com feridos a todo momento, sobretudo com crianças, relatou um correspondente da AFP. Pelo menos 30 corpos sem vida foram levados à unidade.

Publicidade

Em um dos quartos, vários feridos repousam sobre as camas. Alguns com bandagens na cabeça, outros com fraturas ou hematomas. Em outra ala, uma menina chora ao receber uma injeção e, em seguida, sua mão é engessada. Um menino com a cabeça enfaixada se senta próximo a ela.

"A situação é muito grave, muitas pessoas continuam debaixo dos escombros de prédios residenciais", diz o cirurgião Majid Ibrahim.

Publicidade

Nas áreas controlados pelos rebeldes que lutam contra o regime de Damasco, foram registradas pelo menos 380 mortes.

Mohamed Barakat, pai de quatro filhos, ocupa um dos leitos do hospital com ferimentos no rosto e uma fratura na perna, após ter sido atingido por um muro. "Saímos da casa porque a planta é baixa e antiga. Mas as paredes dos prédios vizinhos começaram a cair sobre nós quando estávamos na rua", conta.

Na cidade de Sarmada, ao norte de Idlib, um condomínio de edifícios desabou. Entre os restos mortais estão colchões e cobertores. Um fotógrafo da AFP presenciou equipes de resgate tentando desenterrar os escombros para encontrar sobreviventes, enquanto veículos pesados removiam grandes blocos.

"Juízo final"

A Síria é um país em guerra há quase 12 anos e está dividido em áreas controladas pelo governo e regiões sob comando dos rebeldes.

Assim que Anas Habache, de 37 anos, começou a sentir o tremor, foi procurar o filho e gritou para a esposa, grávida, correr até a porta do apartamento, no 3º e último andar de um prédio em Aleppo.

"Descemos as escadas como loucos e, quando chegamos à rua, vimos dezenas de famílias assustadas", contou. "Alguns estavam rezando de joelhos, outros choravam, como se fosse o dia do juízo final", acrescentou, dizendo nunca ter sentido nada igual nos últimos anos de guerra.

"Isso foi muito pior do que as bombas e as balas", finalizou.

Crianças são resgatadas em meio à destruição após terremoto

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.