Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

EUA liberam documentos sobre assassinato do presidente Kennedy

De acordo com Joe Biden, parte dos arquivos foram mantidos em sigilo por motivos de segurança nacional

Internacional|Do R7

John F. Kennedy foi assassinado na cidade de Dallas, em 1963
John F. Kennedy foi assassinado na cidade de Dallas, em 1963 John F. Kennedy foi assassinado na cidade de Dallas, em 1963

Os Arquivos Nacionais dos Estados Unidos liberaram, nesta quinta-feira (15), milhares de documentos sobre o assassinato do presidente John F. Kennedy, em 1963. Segundo os Arquivos Nacionais, foram divulgados 12.879 arquivos, mas a Casa Branca impediu a publicação de outros milhares, alegando razões de segurança nacional.

De acordo com a fonte, foram liberados 97% dos registros, que somam aproximadamente 5 milhões de páginas. O presidente americano, Joe Biden, comentou em um memorando que continuará mantendo em sigilo uma quantidade "limitada" de documentos.

"O adiamento temporário contínuo da divulgação pública desta informação é necessário para nos proteger de um dano identificável à defesa militar, às operações de Inteligência, à aplicação da lei ou à condução das Relações Exteriores", disse o chefe de Estado.

A Comissão Warren, que investigou o ataque a tiros contra o carismático presidente de 46 anos, determinou que o crime foi obra de um antigo franco-atirador da Marinha, Lee Harvey Oswald, que agiu sozinho.

Publicidade

No entanto, essa conclusão formal foi insuficiente para sufocar a especulação de que um complô mais sinistro estaria por trás do assassinato do 35º presidente dos Estados Unidos.

Os estudiosos de Kennedy afirmam que é pouco provável que os documentos que ainda estão conservados nos arquivos contenham revelações explosivas ou ponham fim às teorias conspiratórias sobre o assassinato.

Publicidade

Oswald desertou para a União Soviética em 1959, mas retornou aos Estados Unidos em 1962. Foi assassinado a tiros dois dias depois de matar Kennedy pelo proprietário de uma casa noturna, Jack Ruby, quando estava sendo transferido para a prisão da cidade.

Um número significativo dos arquivos publicados nesta quinta-feira está relacionado com Oswald, as viagens internacionais que fez e contatos nas semanas, meses e anos prévios ao assassinato de Kennedy.

Publicidade

Centenas de livros e filmes, como o longa de Oliver Stone JFK (1991), alimentaram a indústria da conspiração, apontando o dedo para os rivais da Guerra Fria — União Soviética e Cuba —, a máfia e, inclusive, o vice-presidente de Kennedy, Lyndon Johnson.

Leia também

A publicação dos documentos cumpre com uma lei do Congresso de 26 de outubro de 1992 segundo a qual os registros de assassinatos que estão nos Arquivos Nacionais devem ser publicados na íntegra e sem edição 25 anos depois.

Milhares de documentos relacionados com o assassinato de Kennedy nos Arquivos Nacionais foram publicados durante o mandato de Donald Trump, mas o ex-presidente também manteve o sigilo de outros por motivos de segurança nacional.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.